Eliminado já na segunda rodada da Copa das Confederações, o México terá uma despedida melancólica no próximo sábado contra o Japão, que também deu adeus ao perder por 4 a 3 da Itália em Pernambuco. Insatisfeito com o resultado e a queda precoce, o técnico José Manuel de La Torre prometeu uma despedida honrosa contra os asiáticos.

“É claro que queremos nos despedir com um bom resultado e uma vitória, precisamos disso, mas um resultado não muda a percepção de um projeto. Trabalhamos com um projeto de longo prazo e tenho recebido todo o apoio do corpo diretivo e os jogadores acreditam no nosso projeto”, explicou.

O treinador também lamentou gol sofrido no início da partida e acredita que a sorte dos mexicanos poderia ter sido diferente se o Brasil não conseguisse materializar em vantagem no placar o ímpeto dos minutos iniciais. No entanto, ele comemorou evolução em relação ao último jogo.

“Levamos um gol no início que mudou as circunstâncias, era quando deveríamos ter controlado mais as ações porque eles estavam tentando entrar na nossa área a todo instante. Conseguimos colocar o Brasil em seu campo de defesa, buscamos o empate mas infelizmente não conseguimos o resultado”.

Questionado se o tropeço poderia ser considerado um fracasso para a equipe, ele rebateu e elogiou a atitude de seus comandados mesmo jogando contra os donos da casa. “Fracasso é deixar de lutar, não acreditar nos seus ideais. Se perder fosse um fracasso seríamos todos fracassados, porque a vida é feita de vitórias e derrotas. Temos que acreditar em um objetivo e isso é o que fazemos”, concluiu.