Foto: Valquir Aureliano

Ala-esquerdo até correu sozinho no Parque Barigüi. A redenção veio no jogo de quarta, contra o Botafogo.

Quem era uma incógnita para todos, reapareceu como uma grata surpresa. O ala esquerda Michel, outrora criticado pela imprensa e nação rubro-negra, teve finalmente sua noite de gala na Arena. Diante do Botafogo, o jogador desempenhou muito bem a função de ala, com o tempo certo para marcar e apoiar. Chutou a gol e, em uma de suas subidas ao ataque, fez um bonito gol de cabeça aproveitando bem a estatura que tem. ?Esse foi o jogo da minha vida. Passei por momentos difíceis. A oportunidade foi dada e aproveitei da melhor maneira. É a volta por cima do Michel?, afirmou o jogador, não se contendo de euforia.

Michel Garbini Pereira, 26 anos, chegou ao clube em 2006, durante o Brasileirão, para fortalecer uma posição carente no elenco. Disputou a vaga de titular com Ivan, entretanto os dois tiveram apresentações contestáveis. Neste ano, apenas Michel foi mantido e tornou-se a aposta do Atlético para a ala esquerda. Mas 2007 não começou bem para ele. Tanto que sob o comando de Vadão, Chico, Netinho e Nei foram improvisados naquele setor.

Com a mudança de técnico, Michel voltou a ganhar oportunidade com Antônio Lopes, porém não se firmou. Foram quatro jogos (Palmeiras, Paraná, Náutico e Vasco) e em três deles foi substituído. Ali começou um período difícil na sua carreira. Mas Michel fez da superação a sua arma. Ele viu Edno, mesmo jogando improvisado, tornar-se dono da posição até a chegada de Piauí, na 26.ª rodada, quando o Atlético já era comandando por Ney Franco. Durante todo esse tempo em que permaneceu afastado, Michel aproveitava seus dias de folga para manter a forma física, correndo e fazendo exercícios sozinho no Parque Barigüi.

Além da má fase técnica, Michel sofreu com contusões que o ?ajudaram? a ficar na geladeira. No entanto, a perseverança do jogador, que acompanhava de longe seus colegas entrarem em campo para defender o Atlético, surtiu resultado. A chance apareceu contra o Náutico, com a contusão de Piauí, mas, assim como todo o time, o lateral não foi bem.

Ressurgir

Sob a desconfiança de muitos, o inconstante Michel foi confirmado por Ney Franco e entrou como titular diante do Botafogo. Desta vez, ele não decepcionou. Fez a sua melhor partida pelo Furacão e ainda marcou um gol – resultado de jogada trabalhada nos treinamentos, na qual o técnico pediu que explorasse a sua altura nos cruzamentos (1,88m).

Um dos motivos para a boa performance pode estar relacionado à mudança no esquema de jogo atleticano implantado por Franco. Pela primeira vez no ano, Michel entrou em um time com base definida e atuando como ala, posição na qual ganhou liberdade para jogar. Com Vadão e Lopes, ele só jogou como lateral no esquema 4-4-2.

Contra o Vasco, no domingo, Michel terá outra oportunidade de provar que o bom desempenho de quarta-feira não foi obra do acaso. Para superar a desconfiança, o jogador tem a receita. ?Tem que provar (o seu valor) a cada dia. Se mostrar que tenho vontade, a torcida vai apoiar?, finalizou o ala.

Ney Franco só tem uma dúvida

O entusiasmo de ter conquistado uma bela vitória contra o Botafogo já é passado no Atlético. Ontem, os jogadores que atuaram quarta, realizaram trabalhos regenerativos no CT do Caju, enquanto os demais participaram de um jogo-treino contra o J. Malucelli. A intenção da atividade foi para que o técnico Ney Franco pudesse avaliar os atletas que não têm sido aproveitados no Brasileirão.

Diante dessas observações, o treinador terá que se decidir sobre quem ocupará a vaga na ala direita. Jancarlos está suspenso devido ao terceiro cartão amarelo e seus respectivos substitutos (Nei e André Rocha) não estão em condições de jogo. Desta maneira, o volante Roberto deverá ser improvisado na posição.

Hoje, Ney Franco vai realizar um treino tático, no período da tarde, para definir a escalação do time que enfrentará o Vasco, às 16h de domingo, na Arena. Para o confronto, o time cruzmaltino vem desfalcado dos jogadores Wágner Diniz (lateral direita) e Perdigão (meio-campo). Mas o técnico Celso Roth contará com o retorno do atacante Leandro Amaral, que não jogou na derrota para o Juventude.

Infra-estrutura do entorno da Arena é um dos trunfos pra convencer a Fifa

Cahuê Miranda

A localização da Arena da Baixada foi um dos trunfos usados pelo Atlético para convencer a Fifa de que o estádio estará habilitado para receber jogos da Copa do Mundo de 2014. Em área nobre do bairro Água Verde, zona central de Curitiba, a casa do Furacão está cercada por hotéis, hospitais, restaurantes e centro de compras.

O projeto da nova Arena foi apresentado aos inspetores da Fifa no dia 25 de agosto, no Rio de Janeiro. Dados levantados pelo clube e pela Prefeitura de Curitiba mostram que o entorno do Joaquim Américo abriga serviços fundamentais para receber delegações e torcedores durante a Copa.

Num raio de dois quilômetros do estádio estão concentrados 40% dos cerca de 18 mil leitos disponíveis pela rede hoteleira da cidade. Também estão ali 30% dos restaurantes e bares, cinco shoppings e 10 supermercados. A região também conta com 12 hospitais e centros de saúde.

Outro ponto destacado na apresentação à Fifa foi o grande número de linhas de ônibus que servem o local (20% do total da cidade), inclusive expressos circulando em canaletas exclusivas. O projeto ressalta também o fácil acesso ao Aeroporto Afonso Pena e rodovias como as BRs 277 e 476.

Curiosamente, a localização do estádio foi apontada como um defeito do projeto atleticano pelos defensores da indicação do Pinheirão como local dos jogos do Mundial em Curitiba. A idéia, inicialmente encampada pelo governo do Estado, foi abandonada em favor da Arena.

A Fifa deve oficializar o Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014 no próximo dia 31. A definição das cidades que receberão as partidas deve acontecer em outubro do ano que vem.

Novidades

O projeto da nova Arena, apresentado à Fifa em conjunto com a Prefeitura, prevê algumas novidades no sistema viário da região. A principal delas é a previsão de uma linha de metrô no atual trajeto do expresso Pinheirinho-Santa Cândida, ?um investimento de R$ 1,2 bilhão em uma linha de quase 15 km?.

A Praça Afonso Botelho, em frente ao estádio, também passará por uma reformulação. Ela não terá mais grades a seu redor e será integrada à zona do estádio em dias de jogos. Parte de sua área será transformada em um estacionamento público, que seria administrado pela Prefeitura.


Além do fácil acesso, estádio está cercado por hotéis, hospitais, restaurantes
e centros comerciais. (Foto: Divulgação)