Reforço mais caro da história do Santos, o meia Montillo ainda não correspondeu ao investimento realizado pelo clube e agora se tornou o jogador mais renomado do elenco em razão da transferência do atacante Neymar para o Barcelona. O argentino, porém, descartou a condição de protagonista de um time que está em reformulação e aposta em várias promessas das categorias de base.

“Responsabilidade é para todos. O Santos tinha se acostumado a jogar com o Neymar em campo. Mas agora sabemos que estamos em mudança. E tem que ser o mais rápido possível, para que o time fique forte e jogue da melhor forma possível. Cada um tem que pensar individualmente para fazer o melhor dentro de campo. E que esse time seja difícil de vencer, como foi nos anos anteriores”, disse.

Montillo, porém, reconheceu que tem a função importante dar tranquilidade e respaldo aos jogadores que estão subindo para o profissional, como Neílton, Giva e Léo Cittadini. “Sempre que eles vêm chegando, vem com uma vontade a mais. Nós, com um pouco mais de experiência, podemos ajudar eles. Às vezes a coisa não sai do jeito que querem. Temos que continuar lutando, pois a carreira é curta. Tem que ter esse equilíbrio. Temos que ajudá-los a ir devagar. A gente tem que tentar falar muito com eles, que são parte importante do Santos”, afirmou.

Fora dos dois últimos jogos do Santos no Campeonato Brasileiro por estar defendendo a seleção da Argentina, Montillo viu o time deixar a zona de rebaixamento ao vencer o Atlético Mineiro por 1 a 0, em 12 de junho, antes da paralisação do torneio em razão da Copa das Confederações. O meia ressaltou a importância do triunfo para a equipe.

“Para a gente, foi bom a vitória que conseguimos em casa. É importante, diante de um time que estava bem como o Atlético. Sobre o período de treinos, na parte que tem que melhorar muitas coisas, é bom. Tanto na parte física, como tática, que não estava bem. Temos que voltar da melhor maneira, pois essa não é a posição que o santos merece”, disse.

Com a desistência do Santos em contratar Marcelo Bielsa, Claudinei Oliveira permanece no comando do time enquanto a diretoria ainda não define se busca um novo nome. Nesta quarta, o até agora interino ganhou o apoio de Montillo. O argentino lembrou que o treinador já trabalhou com várias promessas das categorias de base do clube, o que pode ajudá-lo.

“Sempre é bom um treinador que conheça bem o time. O Santos tem muitos meninos, que estão subindo agora e às vezes é necessário um treinador que os conheça. Ninguém melhor do que o Claudinei. Vamos tentar fazer o melhor com ele, pois ele está no comando. Não falando que o Muricy estivesse ruim, mas o time precisava de uma mudança. E o Claudinei está vindo da base e conhece. Temos que acatar as ordens dele dentro de campo, pois ele é o treinador. E para ele é uma chance única. O Santos precisa melhorar e vamos melhorar”, comentou.

Assim, Montillo evitou até mesmo avaliar a possibilidade do Santos contratar um técnico argentino – além de Bielsa, já foi especulado o nome de Gerardo Martino, atualmente no Newell’s Old Boys.

“É difícil falar se vai ser bom ou ruim. Temos que respeitar o trabalho do Claudinei, que é o treinador do momento. Se não, estaríamos falando mal do trabalho do Claudinei. Ele está trabalhando com a gente e temos que pensar que vai ficar até o final. Temos que dar o respaldo a ele, comprometido com o trabalho da gente e nós com o dele. Agora é o momento de mudanças e tomara que dê tudo certo com o Claudinei, pois é um cara humilde e que gosta de trabalhar”, disse.