O Ministério Público deu parecer favorável, ontem, para a ação encaminhada pelo Procon, que pede a redução do preço dos ingressos na Arena da Baixada e a planilha de custos do Atlético. A entidade entrou na Justiça contra o clube a pedido de grupos organizados da torcida rubro-negra. Agora, a ação está nas mãos do juiz José Roberto Pinto Jr., da 8.ª Vara Cível do Tribunal de Justiça, que tem até amanhã para despachar. Ele pode conceder ou não uma liminar para obrigar os dirigentes a baixarem os preços dos bilhetes para os jogos no Estádio Joaquim Américo.

A briga entre a confraria Esquadrão da Torcida Atleticana (ETA), E-Atlético.com, torcida organizada Os Fanáticos e @tleticanos Online começou quando os dirigentes rubro-negros lançaram os pacotes de ingressos para as próximas duas temporadas e anunciaram a cobrança de R$ 30,00 por jogo avulso como preço mínimo (antes era R$ 15,00). Os grupos organizados foram ao Procon, colheram mais de 10 mil assinaturas e encaminharam a ação pedindo a volta do preço antigo.

A ação foi para a 8.ª Vara, na terça-feira da semana passada, foi recebida por Pinto Jr., que a remeteu para um parecer do Ministério Público. No MP, a procuradora Ana Cristina Brandão analisou a ação, deu parecer favorável e mandou de volta para o Tribunal de Justiça. Agora, cabe ao magistrado conceder uma liminar obrigando o clube a baixar os valores dos ingressos ou não. Um meio-termo poderia ser a obrigação do clube de criar um espaço com preço antigo, considerado “popular”. O prazo para a concessão ou não da liminar é até as 17 horas de amanhã.

O Atlético só vai se manifestar sobre a ação se for citado. Por enquanto, o clube segue mantendo os preços e já começa a vender hoje os ingressos para o clássico de domingo.