Chega ao fim nesta sexta-feira o período de treinos da saltadora Fabiana Murer com o técnico ucraniano Vitaly Petrov, que, entre outros, já treinou os recordistas mundiais no masculino e no feminino: Serguei Bubka e Yelena Isinbayeva. A brasileira disse ter ficado “bem feliz com essa parceria”, que serviu como preparação para a Olimpíada de Londres.

“Sei que uma medalha olímpica não é fácil. Vou enfrentar pelo menos seis outras atletas com chance de pódio. Vou pensar passo a passo”, declarou. “Daí, na Olimpíada, penso em me classificar, numa prova que é tensa, e entrar na final pelo ouro, sim, mas não penso: ‘É ouro ou nada’. Quero o bronze, a prata, o ouro…Vou construir passo a passo”, completou.

A atual campeã mundial vem de um longo período longe das competições oficiais. Nesta temporada, ela não participou dos campeonatos indoor e preferiu focar nos treinamentos. Assim, o objetivo de Murer é estar em sua melhor forma física em agosto, durante os Jogos de Londres.

“Estou bem tranquila. Este é um ano diferente para mim. Não fiz a temporada indoor para ter mais tempo para me preparar, aperfeiçoar a técnica de salto. Começo a saltar no dia 16 de maio, em São Paulo, depois, no GP do Rio, dia 20. Ainda salto em Eugene, Nova York e Mônaco. Serão apenas cinco provas até a Olimpíada, o suficiente para eu ganhar ritmo, ter confiança e competir bem”, disse.

O planejamento foi feito ao lado de Petrov, que também apontou a necessidade de a brasileira estar “no auge em agosto”. O ucraniano ainda analisou as adversárias de Murer. “Tem as russas Yelena Isinbayeva e a Svetlana Feofanova, mais a americana Jennifer Shur, a inglesa Holly Bleasdale, que vai estar em casa, a alemã Silke Spiegelburg, mais a polonesa Anna Rogowska e a cubana Iarisley Silva. É uma prova bem competitiva. Acho que tenho de saltar bem alto por uma medalha”, avaliou.