Quando foi convidado pela CBF na manhã de sexta-feira para assumir o comando da seleção brasileira, Muricy Ramalho aceitou a proposta. Mas, como o Fluminense se recusou a liberá-lo, ele decidiu cumprir o contrato que tem em vigor e acabou declinando da oferta para ser o sucessor de Dunga. Em seu primeiro pronunciamento sobre o caso, o treinador divulgou um comunicado neste sábado para dizer que “entende e respeita” a decisão da diretoria do clube carioca. E aproveitou para desejar sorte a Mano Menezes, que ficou com o cargo que era para ser seu.

Muricy ainda não deu entrevistas desde que recebeu o convite para assumir a seleção, o que só irá fazer após o clássico deste domingo, quando o Fluminense enfrenta o Botafogo pelo Brasileirão. Mas divulgou o comunicado para explicar sua postura nessa história. Ele começou o texto agradecendo a CBF por ter lhe feito a oferta. Também desejou “sorte e sucesso” a Mano Menezes, que foi confirmado oficialmente neste sábado como o novo técnico do Brasil.

Depois, Muricy falou sobre a sua recusa ao convite da CBF. “Quero dizer à direção do Fluminense que também respeito a decisão do clube e de seu patrocinador e que entendo a posição adotada. Neste momento, estou focado no meu trabalho junto ao Fluminense”, afirmou o treinador. “Como pai, o dever de cumprir aquilo que está acertado é a mensagem que passo aos meus filhos e em nome disso que mantenho sempre a minha postura e posições em minha vida.”

Apesar de não esconder o sonho de comandar a seleção brasileira, Muricy deixou escapar essa oportunidade. Preferiu cumprir contrato com o Fluminense, com quem tem compromisso até o final do ano – a renovação por mais duas temporadas já está apalavrada. Melhor para o time carioca, que lidera o Campeonato Brasileiro. Neste sábado, inclusive, cerca de 300 torcedores foram ao treino nas Laranjeiras para comemorar a permanência do treinador no cargo.