O volante Luiz Gustavo é titular absoluto da seleção brasileira e teve participação importante na conquista do título da Copa das Confederações no ano passado, mas ainda é pouco reconhecido pelo torcedor do País. Apesar disso, o jogador garante não se incomodar com esse quase anonimato, destacando que a sua única preocupação é em ajudar a equipe.

“Sou um cara muito tranquilo. Não faço a mínima questão de ser conhecido, ser mais famoso. Quero é ganhar, conseguir esse objetivo. Se vão me reconhecer ou não, isso não é o que eu procuro. Quero realizar meus sonhos, me desafiar, tenho certeza que se o objetivo for alcançado serei lembrado de alguma forma”, disse Luiz Gustavo, nesta terça-feira na Granja Comary, em Teresópolis (RJ), onde a seleção se prepara para a Copa.

Luiz Gustavo deixou o futebol brasileiro em 2008, após rápidas passagens por clubes alagoanos, se transferindo para o futebol alemão. Lá, ele defendeu o Hoffenheim e o poderoso Bayern de Munique antes de chegar ao Wolfsburg antes do início da temporada 2013/2014 do futebol europeu, logo após vencer a Copa das Confederações pela seleção.

A entrevista coletiva do volante foi concedida no dia seguinte ao da palestra proferida pelo empresário Carlos Alberto Julio aos jogadores dirigidos pelo técnico Luiz Felipe Scolari com o lema “O talento individual só é superado pelo talento coletivo”. E essas palavras funcionam quase como um mantra para Luiz Gustavo, como ele próprio admitiu.

“Sempre é bom aprender coisas novas, que fazem você evoluir na sua vida. Foi uma palestra em que todos adquiriram conhecimento para a vida. Meu estilo sempre foi de ser um cara coletivo, que não era o foco das atenções. A palestra calhou muito bem pra mim e todo o elenco. Mostramos nessa trajetória até a Copa que somos uma equipe coletiva e é essa nossa força maior”, comentou.

De poucos sorrisos, Luiz Gustavo só negou ser um sujeito bravo e destacou que possui a mesma seriedade dentro e fora de campo. “Não sou bravo, só sou quieto, tranquilo. Não consigo ficar sorrindo muito, mas quem me conhece sabe que sou tranquilo, da paz. Dentro de campo, não me transformo, mas outras questões envolvem, como querer ganhar, então tenho uma postura mais aguerrida”, explicou.

Para Luiz Gustavo, a sua timidez lhe ajuda a evitar ser alvo das brincadeiras dos jogadores mais extrovertidos da seleção. Assim, ele aproveita a situação para se divertir. “Dou muito risada, não tem como não me divertir com as resenhas deles”, disse o volante do Wolfsburg. “Sou uma pessoa feliz e realizada no que faço”, concluiu.