Tricampeão da Libertadores e do Mundial de Clubes (atual Copa do Mundo de Clubes), o Nacional chegou ontem em Curitiba na condição de mero azarão. O tradicional clube uruguaio assume as dificuldades para avançar às semifinais da Copa Sul-Americana, que não se restringem ao placar do jogo de ida. Cansaço, a lesão do principal astro e o recente surto de caxumba tornam ainda mais árdua a missão de eliminar o Atlético na Baixada. A delegação do Tricolor, como gosta de ser chamado o Nacional, chegou de manhã e à tarde fez treino físico em local não divulgado. A atividade teve quatro ausências: o goleiro Vieira, o lateral Romero e o meia paraguaio Brítez, poupados por dores musculares, e o atacante Diego Alonso, machucado. Autor do gol no jogo de ida contra o Furacão e maior destaque da equipe, Alonso, 19 anos, passou por cirurgia no menisco na sexta-feira e só volta a jogar no final de novembro.

Passado

A ausência do atacante reduz as esperanças do clube, que não menospreza a Sul-Americana – pelo contrário, a competição é a chance de resgatar o passado de conquistas.

Desde 1988, quando venceu a Libertadores e a Copa Intercontinental pela última vez, o Nacional não chega sequer às semifinais da maior competição do continente, e nem a decisões de outros torneios internacionais.

?Seria muito importante para o Nacional aparecer novamente fora do Uruguai?, falou o técnico Martín Lasarte, cuja cordialidade com a imprensa contrasta com a ?marra? dos argentinos do River Plate, último adversário do Atlético pela competição.

Assim como o adversário de amanhã, Lasarte terá que lidar com o desgaste provocado pelo excesso de partidas. O Nacional também encara uma maratona, mesclando jogos pelo Campeonato Uruguaio e a Sul-Americana, da qual já eliminou Central Español (Uruguai), Libertad (Paraguai) e Boca Juniors (Argentina). No domingo, o Tricolor venceu o Rocha por 3 a 2, pelo torneio local, usando sete jogadores que haviam enfrentado o Furacão em Montevidéu. Outros dois – o goleiro Bava e o zagueiro Pallas – voltaram nesta partida, após se recuperarem de caxumba. ?Não estamos em condições físicas ideais. Mas sabemos que o Atlético vive situação semelhante, pois o Campeonato Brasileiro é muito duro e acaba de fazer viagem desgastante?, disse Lasarte, que hoje à noite comanda um treino leve no estádio do Atlético.