O equilíbrio visto sempre que Rafael Nadal e Roger Federer se encontraram nas decisões dos principais torneios do circuito mundial de tênis nos últimos seis anos não foi observado nesta sexta-feira, na semifinal do Masters 1000 de Miami, nos Estados Unidos. Com o suíço em péssima noite, o número 1 do mundo precisou de apenas 1 hora e 18 minutos para vencer por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/2.

Um número que mostra o que foi o jogo é a estatística de erros não forçados. Número 3 do mundo, Federer falhou 38 vezes em jogadas nas quais tinha o controle do lance. Nadal, só em dez.

Os dois não se encontravam em uma semifinal de torneio deste formato desde 2005 – jogaram duas vezes nesta etapa da Masters Cup no período. Como se revezavam entre o primeiro e o segundo lugares no ranking mundial, ficavam em chaves opostas dos torneios desde então e só rivalizavam em decisões.

Com a vitória na noite desta sexta-feira, Nadal confirma o retrospecto positivo contra seu maior rival: 23 jogos, 15 vitórias e oito derrotas. De quebra, o espanhol devolve a derrota para Federer na final de Miami em 2005.

A vitória leva Nadal à final do único torneio da série Masters que ele ainda não conquistou – perdeu duas finais. Pela frente, terá Novak Djokovic, seu algoz na final de Indian Wells e de Federer nas outras três derrotas do suíço na temporada.

A se contar os dois primeiros games, o jogo parecia que seria equilibrado. Na segunda vez que foi para o saque, porém, Federer mostrou muito nervosismo e foi facilmente batido por Nadal, que abriu vantagem e fechou o set em 6/3, depois de quebrar também o serviço do rival no nono game.

No segundo set, Federer até entrou em quadra mais concentrado. Logo no primeiro game, chegou a ter um brake point, mas tropeçou no próprio pé no fundo da quadra, não conseguiu a devolução e permitiu que Nadal depois fechasse o game. O espanhol ganhou confiança, enquanto o suíço a perdeu mais ainda. Assim, o líder do ranking logo abriu 3 a 0 e caminhou tranquilo para a vitória.