"Para chegar na Fórmula 1 não basta uma corrida, não basta um sobrenome, é preciso vencer um campeonato", disse nesta sexta-feira o piloto Bruno Senna, de 24 anos, sobrinho do tricampeão Ayrton Senna, após vencer o Grande Prêmio de Mônaco pela categoria GP2.

"É claro que hoje é um dia especial para mim, significa muito vencer aqui, é uma coisa belíssima", disse o piloto, que venceu a prova no mesmo dia em que o tio obteve, em 1993, sua última vitória no circuito.

Bruno, que estreou ano passado na GP2, disse que se preparou bem para esta corrida. "Parti atrás do venezuelano (Pastor) Maldonado, mas não era fácil passá-lo. Depois encontrei um momento bom e consegui me manter sempre na frente, mesmo com um momento de medo perto do fim quando vi um grupo de carros quase parados e, ao ultrapassá-los, acreditei ter feito uma infração. Queria vencer e fui bem".

Ao final da corrida as primeiras pessoas a aplaudir Bruno foram a mãe, Viviane, e a irmã Bianca, sua empresária.

"Para ele é inevitável a referência a Ayrton, mas a gente deve distinguir o nome deles e suas oportunidades. Com certeza um Senna vencendo aqui é uma coisa mágica. Mas é importante que hoje tenha vencido Bruno e não Ayrton. Eles têm a mesma determinação e dedicação ao trabalho. O talento é importante, mas não o suficiente para vencer, como ocorreu com Ayrton. Bruno tem as mesmas possibilidades de ir bem", disse Viviane.

A mãe disse esperar que Bruno corra na Fórmula 1, "é importante para ele como para qualquer piloto, mas tem tempo para chegar. Ele tem apenas quatro anos de experiência. Outros pilotos têm muito mais. Ele deve primeiro ganhar experiência".