A Ponte Preta deu como encerrada, nesta quinta-feira, uma novela que já durava um ano. Leandrinho, jovem revelação de apenas 18 anos, vai mesmo reforçar o Napoli, da Itália. Em troca, o time de Campinas vai receber 600 mil euros, o equivalente a cerca de R$ 2 milhões.

Leandrinho não tinha contrato profissional com a Ponte Preta, mas um de formação quando, em janeiro do ano passado, aos 17 anos, passou a negociar com times europeus à revelia da Ponte. O atacante simplesmente deixou de treinar em Campinas, o que fez o caso chegar à Justiça.

A Lei Pelé determina que um atleta só pode assinar um contrato profissional no seu clube formador – no caso de Leandrinho, a Ponte Preta. Além disso, ele não poderia, até completar 18 anos em outubro, assinar contrato com qualquer time estrangeiro.

A Ponte Preta ainda conseguiu, na Vara do Trabalho de Campinas, uma liminar que impedia o jogador de assinar contrato de trabalho com qualquer outro clube que não a Ponte, o que inviabilizava o acerto dele com o Napoli.

“O jogador já estava há pelo menos um ano sem atuar e o caso ainda poderia se desenrolar por anos na Justiça, razão pela qual o ressarcimento negociado acabou se mostrando a melhor solução”, avalia a Ponte Preta, em texto publicado no seu site oficial.

“Uma vez que o atleta claramente não queria mais atuar pela Ponte e optou pelo time italiano, nós empreendemos todo o esforço para que a Ponte tivesse seus direitos respeitados e, assim que os valores forem ressarcidos, iremos retirar a ação em curso na Justiça Trabalho”, conta Gustavo Valio, diretor financeiro da Ponte.

Leandrinho chegou a atuar pelos profissionais da Ponte Preta em 2015, aos 16 anos, participando de oito jogos do Brasileirão. Também foi titular absoluto da seleção brasileira sub-17 no Sul-Americano e no Mundial de 2015.