Meia não aceitou o novo teto
salarial e saiu cuspindo fogo.

O meia Nem deixou o Londrina por não aceitar o novo teto salarial do clube (R$ 3 mil). Sua saída, entretanto, não foi amigável. Segunda-feira, em entrevista à rádio Paiquerê, o jogador atirou contra o técnico Raul Plassmann (“alguns jogadores estão insatisfeitos com o trabalho dele”) e o supervisor Antônio Nunes, o Lico (“tem jogador que pertence a ele”).

Nem afirmou não ter provas de que Lico é procurador de jogadores. A suspeita ele lançou após a vinda de Jackson e Neném, meias que vieram do Guarani de Palhoça (SC). No ano passado, o atual supervisor do Londrina trabalhou naquele clube.

Sábado

Carlos Alberto, expulso contra o Avaí, volta ao Londrina contra o Brasiliense, às 16h de sábado, no Estádio do Café. O retorno do lateral-direito faz o técnico Raul Plassmann descartar a linha de três zagueiros. Dos que atuaram na goleada sofrida para o Náutico, por 6 x 1, Refferson é quem perde o lugar enquanto Thiago Matias e Fábio Carioca permanecem no time.

Outros já escalados para a terceira rodada do Campeonato Brasileiro da Série B são o goleiro Adir, o lateral-esquerdo Fabinho, o volante Vagner, o meia Jackson e os atacantes Cahê e César. Há duas vagas ainda em aberto, ambas no meio-campo. O páreo tem Germano, Eduardo Neves, Léo e Neném. Do site www.futebolpr.com.br