Foto: Valquir Aureliano

Michel, um dos mais escorraçado pela torcida, mostrou seu valor com Ney Franco no comando.

Pode até parecer um contra-senso, mas o tempo serviu para demonstrar que o elenco rubro-negro, apontado como fraco até a metade deste ano, tem seu valor. A prova veio no jogo de domingo, no Pacaembu, e longe do incentivo da torcida atleticana.

O time que demonstrou bom futebol e terminou a partida diante do Corinthians, com exceção de Claiton, é formado pelos mesmos jogadores que estavam à disposição no Atlético desde o início do Brasileirão. Alguns atletas, criticados pela imprensa e torcida, deram a volta por cima e hoje integram bem o grupo atleticano. Exemplos são Michel, Evandro, Netinho, Alan Bahia e Rogério Correa.

Não que todos estejam prontos para ser titular do Atlético, mas têm condições de compor grupo, já que um time vencedor não é formado por apenas 11 jogadores.

A grande mudança para todo o elenco, basicamente, foi a troca de comando. Desde que Ney Franco chegou, em agosto, ele impôs seu estilo e filosofia de trabalho. O resultado veio rápido e o time ganhou confiança, personalidade e passou a jogar bola, o que não vinha fazendo desde o início do ano. Vadão e Antônio Lopes fracassaram ao tentar fazer o Atlético jogar. Ney Franco não.

Só para relembrar. O sistema defensivo terminou com a seguinte formação: Viáfara ? goleiro reserva no início da temporada; Jancarlos e Danilo titulares desde 2005; Rhodolfo ? zagueiro da categoria de base e Michel, no Furacão desde o Brasileiro do ano passado.

O meio-campo formado por Alan Bahia e Evandro – há tempos no Rubro-Negro; Netinho, que retornou no início de 2007 e Claiton, contratado por empréstimo na metade deste ano. Ferreira e Alex Mineiro são velhos conhecidos. A novidade é o posicionamento da dupla.

Desta maneira fica demonstrado que, desde o início do ano, o Atlético tinha peças para conseguir ir mais longe no Estadual e também na Copa do Brasil. Talvez tenha faltado comando.

Zaga é problema contra o Sport

Hoje o elenco retorna aos treinos no CT do Caju. O técnico Ney Franco começa a definir a equipe que enfrentará o Sport Recife, domingo, na Arena da Baixada. Um desfalque já é certo. O zagueiro Danilo recebeu o terceiro cartão amarelo diante do Corinthians e terá que cumprir suspensão automática. Outras baixas podem ser o também zagueiro Antônio Carlos e o ala Jancarlos, mas ambos por motivo de contusão. Antônio Carlos sequer viajou para São Paulo devido a dores musculares na coxa esquerda. Ele terá o restante da semana para evoluir no tratamento e assegurar vaga no time titular. Jancarlos saiu mais cedo do jogo no Pacaembu reclamando de uma pancada.

Problemas

Se os dois zagueiros desfalcarem o Furacão, os substitutos prováveis são Rogério Correa – que já jogou no domingo passado – e Alex Fraga. No caso da ala direita a situação fica um pouco mais complicada para o treinador. O reserva imediato de Jancarlos é Nei, mas o jogador está se recuperando de uma canelite – contusão na tíbia. Portanto, não tem condições de atuar contra o Sport.

A solução é improvisar o volante Roberto para atuar na ala, como aconteceu contra o Corinthians. Devido a ausência de Nei, o volante tem sido testado na direita nos treinamentos para suprir eventualidades.

A boa notícia para o torcedor atleticano é o retorno do volante colombiano Valencia. Ele cumpriu suspensão e tem vaga garantida contra o time pernambucano. Alan Bahia deve retornar para o banco de reservas.