Agora são oito os atletas com índice para o Mundial em Piscina Curta, de 7 a 12 de outubro, em Indianápolis, nos EUA. Ontem, na final dos 50m livre masculino, Nicholas dos Santos, do Pinheiros, fez 21s93, que é três centésimos melhor que o índice 21s96. Nicholas, que ficou fora das Olimpíadas, vibrou muito com a vaga para o mundial.

“Treinei para nadar este Finkel na casa dos 21s e consegui. Estou muito feliz e vou trabalhar para ganhar mais força e velocidade para estar na final em Indianápolis. Não consegui nadar em Atenas, mas estar sempre entre os melhores do País me motiva muito”, declarou o atleta, de 24 anos.

Nicholas também disse esperar um bom resultado nos 50m borboleta, que terá eliminatórias hoje à tarde e finais amanhã. Jáder Souza não atingiu o índice para o mundial também por três centésimos. Nas eliminatórias da tarde de terça-feira, ele marcou 21s99. Na final, Jáder ganhou a medalha de prata, com 22s04.

Entre as mulheres, Flávia Delaroli confirmou a boa fase vencendo a prova com 25s11, tempo melhor que o índice (25s27), mas inferior ao tempo obtido por ela nas eliminatórias (24s81) que igualou o recorde sul-americano de Rebeca Gusmão. Rebeca nadou a final dos 50m livre feminino, mas foi desclassificada por ter se movido no bloco de partida.

A segunda colocada na disputa, Flávia Neto de Jesus, marcou 25s21, tempo que também é índice para o mundial, mas como o regulamento só permite a inscrição de até dois atletas por prova, os dois nomes para Indianápolis continuam sendo o de Flávia Delaroli e Rebeca Gusmão.

Flávia Delaroli, que em Atenas foi à final ao igualar o recorde sul-americano de Rebeca em piscina longa (25s17), falou sobre o bom momento e do equilíbrio de resultados com Rebeca Gusmão. “Ainda estou um pouco cansada depois de Atenas, mas não podia abrir mão de um mundial. É uma competição importante e precisamos estar nos principais campeonatos do mundo. Mas tem outras meninas que estão chegando e vão tornar a natação feminina ainda mais competitiva no País”, disse Flávia.

Joanna Maranhão, do Minas Tênis, ganhou a medalha de ouro nos 800m livre feminino. Depois de conquistar o recorde sul-americano da prova em piscina longa, hoje somente brasileiro – o continental foi perdido nos Jogos de Atenas para a chilena Kristel Kobrich – agora ganha também a marca do continente em piscina curta. Ela fez 8m32s17, tempo que melhora a marca que pertencia a Nayara Ribeiro, também do Minas Tênis, 8m33s69, desde 2000.

Até o momento são oito nadadores para o Mundial em Piscina Curta, em provas individuais: Flávia Delaroli, Rebeca Gusmão, Kaio Márcio Almeida, Fernando Scherer, Joanna Maranhão, Eduardo Fischer, Thiago Pereira e Nicholas dos Santos.

O Pinheiros saiu na frente na disputa pelo título do 33.º Troféu José Finkel de Natação, com 334 pontos. O Minas Tênis vem em segundo, com 286 e a Unisanta está logo atrás, com 239 pontos.