A derrota do Fluminense por 2 a 0 para o Boavista, neste sábado, no Engenhão, pode ser o começo do “efeito Muricy”. Esse era o temor da maior parte dos tricolores como consequência da grave crise no clube, que teve seu auge com o pedido de demissão do técnico Muricy Ramalho na noite do último domingo. Sem controle, abatido e completamente envolvido pelo Boavista, o time do Fluminense foi uma presa fácil. No

final, vaias para a equipe e gritos de “olé” para os visitantes.

O Boavista foi sempre melhor. Perdeu três oportunidades ainda no primeiro tempo. Aos 37, no entanto, o zagueiro Gustavo cobrou uma falta com perfeição, de longe. A bola ganhou força e curva e venceu o goleiro Ricardo Berna. O desespero tomou conta de mais de 90% do público das arquibancadas. O Fluminense não esboçava reação.

No intervalo, o técnico interino resolveu substituir Rafael Moura por Fred, que ainda está fora de forma. O atacante que fez parte da seleção na Copa do Mundo de 2006 arriscou algumas jogadas de perigo, mas não contou com o apoio de Conca, mal tecnicamente. O Fluminense passou a atacar de forma desorganizada em busca do empate e deixou a defesa vulnerável.

Num contra-ataque, aos 31 minutos, Max recebeu passe de Joilson e chutou forte para ampliar: 2 a 0. O Boavista ainda poderia ter feito o terceiro. Numa finalização de Tony, a bola bateu na trave. Com o resultado, o Boavista assumiu a primeira posição do Grupo A. Já o Fluminense caiu para terceiro no Grupo B e saiu da faixa de

classificação para a fase semifinal da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca.

Ficha técnica:

Fluminense 0 x 2 Boavista

Fluminense – Ricardo Berna; Mariano, Leandro Euzébio (Digão), Gum e Carlinhos (Julio Cesar); Diogo, Diguinho, Marquinho e Conca; Rafael Moura (Fred) e Emerson. Técnico – Ronaldo Torres.

Boavista – Thiago, Everton Silva, Bruno Costa, Gustavo e Paulo Rodrigues; Joilson (Roberto Lopes), Júlio César, Erick Flores (Edu Pina) e André Luís; Tony e Frontini (Max). Técnico – Alfredo Sampaio.

Gols – Gustavo, aos 37 minutos do primeiro tempo, e Max, aos 31 do

segundo.

Juiz – Antônio Frederico Schneider.

Cartões amarelos – Gum, Éverton Silva, Júlio César (Flu)Tony e Diogo.

Renda – R$ 96.690,00.

Público – 5.046 pagantes.

Local – Estádio do Engenhão, no Rio.