O resultado da reunião de anteontem num hotel de Istambul, que colocou frente a frente os dois pilotos da McLaren que andam às turras já há algum tempo, foi favorável a Fernando Alonso.

O espanhol decidiu que não vai deixar a equipe, pretende cumprir seu contrato até 2009, mas sob uma condição: tudo que fizer em seu carro daqui para a frente será guardado para ele e seus engenheiros.

Dividir informações com Lewis Hamilton, portanto, está fora de questão. Esta tem sido uma das queixas constantes do espanhol, que considera ser fruto de seu trabalho a evolução da McLaren do ano passado para cá – em 2006, o time não ganhou uma corrida sequer; neste ano, foram seis vitórias.

Desde o início do ano, pela inexperiência, Hamilton vem usando boa parte dos acertos que Alonso determina para seu carro. Na única prova em que decidiu fazer um ?vôo-solo?, estabelecendo estratégia própria e fazendo ajustes diferentes dos do companheiro, Lewis foi batido com facilidade por Alonso – no GP da Inglaterra, em Silverstone.

Os dois pilotos, ontem na Turquia, atribuíram à imprensa o clima de guerra que supostamente vive a McLaren. ?A mídia exagera. Na segunda-feira depois do GP da Hungria eu e Hamilton nos falamos pelo telefone, ele se desculpou comigo, eu me desculpei por algo que possa ter feito, e acabou?, disse Alonso. ?Nós não estamos em guerra. Esse tipo de coisa vende mais jornal, mas não é o que está acontecendo na realidade?, emendou o inglês, com o discurso afinado.

Ficou claro que a ausência dos dois do autódromo, na quinta-feira, foi motivada por uma tentativa da McLaren de promover a paz entre seus pilotos ou, ao menos, vender o peixe da tranqüilidade para consumo externo. Na pista, a ?pax prateada? será colocada à prova hoje, com a sessão de classificação que define o grid para a 12.ª etapa do mundial, a partir das 8h de Brasília.

Ontem, nos treinos livres, a Ferrari foi a mais rápida na soma das duas sessões, com Kimi Raikkonen fazendo o melhor tempo do dia pela manhã, 1min27s988. Felipe Massa, seu companheiro de Ferrari, fez o segundo tempo no geral. De tarde, Hamilton registrou o melhor tempo da segunda sessão, debaixo de um sol implacável e temperatura que bateu na casa dos 35 graus.

Bueiro atrapalha treino; Ferrari mantém otimismo

Numa sexta-feira das mais normais na pista, o maior incidente do primeiro dia de treinos para o GP da Turquia, em Istambul, foi uma tampa de bueiro solta que furou o pneu do Honda de Rubens Barrichello e interrompeu a segunda sessão por 28 minutos.

Depois de solucionado o problema, os pilotos concluíram seus trabalhos e quem saiu mais satisfeito do circuito foi o pessoal da Ferrari. Afinal, os dois melhores tempos do dia foram registrados por seus pilotos, Kimi Raikkonen e Felipe Massa, no treino matinal.

?A mudança da direção do vento atrapalhou um pouco de tarde, mas no geral acho que fomos bem e estaremos competitivos?, avaliou Massa. ?Temos boas chances de vitória?, emendou Raikkonen.

A Ferrari apresenta ligeiro favoritismo também nas palavras de Fernando Alonso. ?Como a gente esperava, eles estão bem fortes aqui. Mas nós tivemos um bom dia, também, e vamos brigar na frente. Meu objetivo é descontar a diferença que tenho para Lewis, e é isso que vou tentar fazer?, disse o espanhol, vice-líder do Mundial com 73 pontos, sete atrás de Hamilton.

A surpresa do dia foi a Toyota, com Ralf Schumacher e Jarno Trulli em terceiro e quarto no segundo treino. A Williams também foi bem, com Nico Rosberg em sétimo e Alexander Wurz em nono. Barrichello, que passou pela tampa do bueiro, terminou o segundo treino em 15.º.