O Paraná Clube passou longe do acesso. Foram dezenove pontos de diferença para o Vitória -último clube a garantir vaga na Série A. Mesmo assim, o ano foi marcado por mais acertos do que erros. Diferente do que vinha acontecendo, o Tricolor, desta vez, não precisou remontar o elenco várias vezes, como em anos anteriores. Na prática, somente quatro jogadores deixaram o clube ao longo do ano. “Nossa ideia, desde o início, foi minimizar erros. Acho que conseguimos isso, mesmo não tendo voltado à Série A”, disse o superintendente Celso Bittencourt.

Na visão do dirigente, fazendo um ano sempre melhor do que o anterior, logo o clube voltará ao seu verdadeiro lugar. “É claro que também erramos. E vamos procurar corrigir isso para o ano que vem”, completou. As maiores críticas, sempre acabam direcionadas ao departamento de marketing, que não conseguiu emplacar nenhuma campanha contundente, apesar das presenças dos ídolos Ricardinho e Lúcio Flávio, e o fato de que o Tricolor disputou toda a Série B (quase sete meses de exposição, em 38 jogos) sem ter um patrocinador master em sua camisa.