O Vasco há de lamentar o empate em 1 a 1 com o Bahia, neste domingo, em Volta Redonda. Na tentativa de emendar duas vitórias consecutivas atuando como mandante, os vascaínos tiveram toda a ajuda possível para superar o rival tricolor, na última rodada do Campeonato Brasileiro antes da parada para a Copa das Confederações.

Mas com uma má atuação, na qual pouco ameaçou o gol de Marcelo Lomba, o cruzmaltino deixou escapar a chance de subir na tabela, no reencontro com o técnico Cristóvão Borges, que agora comanda o time baiano.

O árbitro Marcelo Aparecido marcou um pênalti inexistente em Carlos Alberto, convertido por ele mesmo, e expulsou corretamente Diones, aos 12 minutos do segundo tempo. Mas nem mesmo isso foi suficiente para levar o Vasco à vitória, que fez uma partida sem brilho e foi punido com um merecido empate. Agora, os cariocas somam sete pontos em 15 disputados e entram no recesso do Brasileiro talvez em melhor situação do que previam seus torcedores.

Os baianos deixaram Volta Redonda comemorando. Depois de duas boas vitórias contra Internacional e Botafogo, o Bahia somou um importante ponto fora de casa, em situação adversa e em nenhum momento foi verdadeiramente ameaçado pelos anfitriões. O time tricolor foi para a pausa do campeonato com ótimos 8 pontos e envolvido na disputa pelas primeiras posições de uma competição muito equilibrada.

O jogo foi marcante para Cristóvão Borges, que reviu o clube do qual foi demitido justamente por uma derrota imposta pelo Bahia, no ano passado, e para o atacante André, que fez sua estreia com a camisa cruzmaltina.

“Deixei muitas coisas boas (em São Januário). Foi uma relação muito boa. Isso é importante”, comentou o técnico baiano.

Para André a noite não foi das mais memoráveis. Entrou no início do segundo tempo, mas teve atuação apagada. Foi pouco participativo e não se movimentou com vigor. Seu melhor momento foi uma cabeçada na trave, em lance no qual Lomba evitou o gol na sequência com grande defesa.

Antes disso, os gols saíram no começo do duelo. Logo aos 7, Fernandão foi lançado, com a zaga vascaína em linha, e tocou por cobertura na saída de Michel Alves, abrindo o placar.

O Vasco tinha dificuldades em concatenar tramas ofensivas. Lento e previsível, não conseguiu furar o bom posicionamento defensivo dos visitantes. Foi quando Aparecido deu uma boa mãozinha. Carlos Alberto tentou driblar Fahel na área e se jogou ao chão. Penalidade marcada, o meia-atacante cobrou muito bem e empatou.

Se os minutos restantes da primeira etapa foram pouco empolgantes, o segundo tempo foi ainda mais sonolento. Diones, que já havia sido advertido com cartão amarelo, levou lindo drible de Sandro Silva e o parou com o braço. Com um a menos, os baianos se fecharam na defesa. Borges recompôs bem seu time com as alterações e, apesar do domínio adversário, sua equipe não levou maiores sustos.

“Queríamos os três pontos. Com a expulsão fica mais difícil. Mas estamos de parabéns. Nos dedicamos e lutamos”, comentou o atacante Fernandão.

FICHA TÉCNICA

VASCO 1 X 1 BAHIA

VASCO – Michel Alves; Elsinho, Luan, Renato Silva e Dieyson (André); Sandro Silva, Wendel, Pedro Ken e Alisson; Carlos Alberto (Dakson) e Edmílson (Thiaguinho). Técnico – Paulo Autuori.

BAHIA – Marcelo Lomba; Madson, Titi, Lucas Fonseca e Jussandro; Fahel, Diones, Hélder (Neto) e Ryder (Raul); Potita (Toró) e Fernandão. Técnico – Cristóvão Borges.

GOLS – Fernandão, aos 7, E Carlos Alberto, aos 22 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO – Marcelo Aparecido de Souza (SP).

CARTÃO AMARELO – Sandro Silva, Carlos Alberto, Dakson (Vasco). Fahel, Diones, Neto (Bahia).

CARTÃO VERMELHO – Diones (Bahia).

RENDA E PÚBLICO – indisponíveis.

LOCAL – Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ).