A noitada custou caro para os “baladeiros”. Após apurar os fatos através de várias fontes, a diretoria do Paraná Clube anunciou ontem a punição – apenas pecuniária – aos três jogadores envolvidos em um incidente em uma casa noturna, na madrugada de quarta para quinta-feira. O zagueiro Daniel Marques e os volantes Agenor e Pituca foram multados no percentual máximo permitido por seus contratos. Internamente, o trio foi duramente repreendido, inclusive pela comissão técnica.

Os três jogadores se envolveram num “bate-boca” no Wood”s Bar. Pelo que se apurou, um deles teria entrado equivocadamente em um camarote da casa, provocando a irritação do proprietário do local reservado. Houve empurra-empurra, mas nenhum deles foi expulso do bar, como chegou a se especular.

“Vai arder no bolso deles”, desabafou o diretor de futebol Paulo Welter, irritado com a atitude dos atletas, um dia após a derrota do Tricolor para o Brasiliense (3×1), pela Série B do Brasileiro. “Não era hora para isso. Há todo um aspecto de conduta profissional e, nessa fumaça para nos mantermos na segunda divisão, não precisávamos de mais um problema”, afirmou o dirigente. Nas entrelinhas, o diretor deixou transparecer que até o afastamento do trio chegou a ser cogitado.

“Passamos por um momento em que precisamos do comprometimento de todos”, disparou Welter, que esteve reunido ontem pela manhã com Daniel Marques, Agenor e Pituca, com a presença do técnico Paulo Comelli. A decisão de multar os atletas em seus vencimentos foi tomada sob a orientação do departamento jurídico. A punição varia entre 30% e 40%, de acordo com as cláusulas contratuais dos jogadores. “Aplicamos o percentual máximo, pois entendemos ser uma falta grave. Por mais que o time só volte a jogar dentro de dez dias”, confirmou Paulo Welter.

Além da multa, os jogadores receberam advertências por escrito. Uma forma do clube se salvaguardar no caso de reincidência. Pituca, suspenso, está fora do jogo contra o Barueri. Mas, apesar da “noitada”, a tendência é que Daniel Marques e Agenor sejam escalados como titulares para essa partida. “Eles já foram punidos. Ponto final nesse caso. Agora, é bola pra frente, pois temos sete decisões pela frente e precisamos de todos juntos nessa missão”, arrematou Paulo Welter, mais uma vez posando de “bombeiro” em meio à crise.