Os organizadores do Rali Dakar afirmaram ter o desejo de manter a competição, apesar do cancelamento da edição deste ano, por causa de ameaças terroristas. ?Faremos tudo para que a edição 2009 do rali aconteça?, afirmou o ministro dos Esportes francês, Bernard Laporte, à rádio RMC-Info.

Para Laporte, a competição deve continuar ?no continente africano, sem o qual não haveria (rali) Dakar?. No dia do anúncio do cancelamento da prova neste ano, o piloto brasileiro André Azevedo, entre outras pessoas envolvidas, levantou a possibilidade de a prova ocorrer na América do Sul. ?A ASO, que organiza o Dakar, comprou os direitos do Rali dos Pampas, e na Patagônia há locais com condições semelhantes às do Deserto do Saara, até mais difíceis, com mais vento. E temos a vantagem de não haver problemas com terrorismo?, avaliou Azevedo.

Segundo o jornal espanhol As, os organizadores também estariam avaliando a possibilidade de trazer a prova para a América do Sul – com passagem também pelo Brasil. Porém, o presidente da ASO, Patrice Clerc, expressou opinião diferente, em entrevista ao jornal francês L-Equipe. ?Não vamos deixar a África?, afirmou.

Em seguida, porém, Clerc deu declaração mais ambígua. ?Nós iremos em breve para a África para falar sobre o futuro. Mas não brincaremos com a segurança. O planeta é vasto o suficiente para que façamos oito mil a dez mil quilômetros em 15 ou 20 dias, em zonas arenosas.? Portanto, para o presidente da organizadora do rali mais famoso do mundo, outras zonas desérticas da própria África e mesmo de outros continentes poderiam servir como rota alternativa.

O anúncio do cancelamento do Rali Dakar veio após ameaças de militantes ligados à organização terrorista Al-Qaeda. No dia seguinte estava previsto o início da edição 2008 do rali, com passagem por parte da Europa e da África. Foi a primeira vez que a prova – que teve sua primeira edição em 1979, com início em 26 de dezembro de 1978 – foi cancelada. No passado já houve mudanças de rota de ano para ano, por causa de razões políticas e de segurança.

Saída de Lisboa

O presidente da Lagos Sport – empresa encarregada do início da prova na capital portuguesa -, João Lagos, afirmou que a edição 2009 do Rali Dakar deve partir de Lisboa.

A empresa Lagos Sport tem contrato firmado com a ASO, organizadora do rali, prevendo a condição da largada em Lisboa. Segundo Lagos, poderia mesmo ocorrer o início do rali na capital portuguesa, e em seguida os veículos e pilotos se transferirem para a América do Sul, para a seqüência das etapas. Mas ele ponderou que a configuração final do rali dependerá de uma ?decisão estratégica? da ASO.