Jornal de Jundiaí
Acostumado a trocar figurinhas com Vavá, Moisés cairia como uma luva no departamento de futebol.

O novo gerente técnico do Paraná Clube pode vir do interior paulista. Mais especificamente, de Jundiaí. Após nove anos à frente do Paulista, Moisés Cândido dos Santos, 59 anos, estaria de malas prontas para Curitiba. Nenhuma das partes confirma a negociação, mas há indícios de que o acerto possa ocorrer no início de janeiro. O vice de futebol Durval Lara Ribeiro busca um ?braço direito? para atuar na montagem do elenco para 2008 e há tempos mantém laços de amizade com o gerente técnico.

No início da semana, Vavá Ribeiro declarou que mais importante do que trazer jogadores seria profissionalizar o departamento de futebol. ?Precisamos de um administrativo forte e com amplo conhecimento do mercado brasileiro?, afirmou o vice de futebol. Moisés Cândido se encaixa exatamente nesse perfil. Aos 59 anos, sempre foi um ?colaborador? do Paraná Clube na busca por reforços. Em especial de atletas do interior paulista.

Na cidade de Jundiaí, a informação é que Moisés se desligaria do Paulista no início do ano, após terminar a montagem do elenco do time para a disputa do Estadual. Uma saída motivada pela frustração com a queda do clube para a Série C (e críticas recebidas desde então) e pelo suposto convite do Paraná. Mesmo tendo dito à imprensa local que talvez seja a hora de ?mudar de ares?, Moisés preferiu não confirmar a transferência. ?Prefiro que essa pergunta seja feita à diretoria do Paraná?, disse o profissional, em tom enigmático.

Ao não negar a sondagem, deixou transparecer que a Vila Capanema pode ser mesmo o seu destino final. ?Uma coisa é certa. Sempre estou trocando figurinhas com o Vavá sobre vários jogadores. Temos um ótimo relacionamento e por isso estou sempre em Curitiba?, afirmou. No entanto, Moisés confirmou ter muito prestígio com a diretoria e o patrocinador do Paulista, independente da campanha ruim no último Brasileiro da Série B. No currículo, o gerente de futebol tem conquistas importantes como os títulos da Série C (2001) e da Copa do Brasil (2005), levando o time de Jundiaí à Libertadores da América.

Do lado tricolor, o presidente Aurival Correia também não confirmou uma negociação direta com Moisés Cândido. ?A gente sempre conversa com ele. Mas para obter informações sobre possíveis reforços. Nos últimos dias, aconteceram alguns contatos?, justificou. ?Porém, a sua contratação não foi ventilada por nós?. A possibilidade, porém, de contar com um velho parceiro nas fileiras do clube para a temporada 2008, atenderia àquilo que Vavá Ribeiro idealiza para o futebol do Tricolor.

A presença de um gerente técnico com esse perfil minimizaria – na visão de Vavá – as dificuldades nas tratativas com os atletas, em especial neste período de transição. Tanto nas negociações para as renovações de contratos como no encaixe de jogadores que não estão nos planos e a busca por reforços de qualidade. ?Precisamos e vamos profissionalizar o Paraná?, repete seguidamente Vavá. Nesse quesito, Moisés Cândido seria a opção para exercer uma ?nova? função, até hoje exercida, no Tricolor, por dirigentes não remunerados.