Belo Horizonte

  – O Brasil está na decisão da Liga Mundial de Vôlei. O levantador Maurício, que fez o jogo de número 502 pela seleção brasileira, correu para a arquibancada do Mineirinho e pegou o filho João Victor no colo, antes de voltar para a quadra e comemorar.

O Brasil teve de ir ao tiebreaker, em um jogo cheio de opções, para derrotar a Iugoslávia, campeã olímpica e européia, por 3 sets a 2 (25/27, 25/19, 25/12, 21/25 e 18/16), ontem, na semifinal, em Belo Horizonte (MG). O Brasil volta à quadra hoje, às 11h30, para lutar pela medalha de ouro.

A disputa da medalha de bronze será às 9h contra a Rússia. “Sabíamos que seria difícil. Jogamos contra o campeão olímpico, um time que tem malícia”, disse Bernardinho. O time do treinador Zoran Gajic mandou no primeiro set, diante de um Brasil deficiente no saque. Segundo Bernardinho, os jogadores estranharam a mudança de ginásio – o time fez os três primeiros jogos da fase final no Geraldão, no Recife – e perderam a referência para sacar (foram 6 pontos dados ao rival por erros de saque).

No segundo set predominou o equilíbrio, com vantagem para o Brasil: 25/19. O terceiro foi totalmente atípico. Sacando bem e com uma Iugoslávia desestruturada, a seleção brasileira abriu grande vantagem fechou a parcial por 25/12. No quarto set, a Iugoslávia mostrou que estava recuperada do “massacre” do terceiro e abriu vantagem de 4 pontos que manteve até o fim, fazendo 25/21.

O tiebreaker foi dramático. O Brasil chegou a abrir vantagem de 4 pontos (7/3), mas a Iugoslávia empatou (7/7). Ajudada por erros dos adversários, a seleção voltou a ficar à frente no placar: 13/10. Quando parecia que o set estava decidido, Henrique errou um saque, os brasileiros desperdiçaram dois contra-ataques e os iugoslavos voltaram a empatar – em 13/13, 14/14, 15/15 e 16/16.

O mérito do Brasil foi não perder o controle para fechar em 18/16, com uma substituição de Bernardinho. Com Giba bem marcado pelos iugoslavos, o veterano campeão olímpico Giovane, que tem ficado no banco de reservas, ajudou a fechar o quinto set. “Foi bom ganhar com a força do conjunto”, afirmou Giovane, referindo-se à sua entrada em quadra. “É maravilhoso fazer essa final aqui.”