Imagens projetadas de diferentes ângulos em tempo real. Visores de alta resolução, com até 64 canais cada, transmitidos simultaneamente. Canais ampliáveis em mais de 30 vezes. Imagens no ar 24 horas por dia e armazenadas em um sistema integrado. O que parece um grande reality show faz parte, na verdade, de estratégias de organização do maior espetáculo de futebol do planeta.

Estas ferramentas permitem que as equipes de monitoramento do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo da FIFA 2014 acompanhem cada fase das obras dos 12 estádios que sediarão as partidas. Nada escapa ao olhar atento dos técnicos.

São duas câmeras por estádio, uma instalada em um ponto fixo com imagem panorâmica e outra, móvel, localizada em ponto específico de acordo com cada obra. As imagens são armazenadas e podem ser acessadas a qualquer momento nas telas de acompanhamento no escritório do Comitê Organizador, no Rio de Janeiro.

Além das imagens acompanhadas ao vivo, são produzidos relatórios técnicos, gráficos e fotográficos que avaliam o planejamento e execução dos projetos. Para isso, as equipes contam com representantes espalhados pelas 12 sedes. O resultado é o monitoramento completo do estágio e de prazos.

Mas será que este acompanhamento segue um modelo visto em grandes construções pelo mundo? A resposta é positiva. Os parâmetros de avaliação são validados internacionalmente. O monitoramento dos projetos dos estádios é feito com base em metodologias recomendadas pelo Project Management Institute (PMI), instituição norte-americana que é referência em gerenciamento de projetos em todo o mundo.

“O COL não executa nem fiscaliza obras. A fiscalização é realizada pelos órgãos responsáveis por cada estádio. O papel do monitoramento é fazer orientações específicas durante todas as fases de planejamento para que, durante a Copa do Mundo da FIFA, as operações necessárias no estádio possam atender ao padrão exigido para o evento, que deve ser o mesmo em todas as sedes”, esclarece Roberto Siviero, gerente geral de Estádios e Instalações do COL.

Segundo o COL, o acompanhamento contínuo dos projetos permite integrar as necessidades e particularidades de cada um dos 12 projetos. Ou seja, não há surpresas nos estádios. É só ficar de olho.

COMEÇOU EM 2009

O trabalho diário é feito diretamente pela sala de monitoramento do Comitê Organizador e as imagens ficam disponíveis para visualização ininterruptamente. Mesmo de madrugada, os técnicos podem acompanhar a movimentação nos canteiros. São produzidos relatórios mensais sobre os estágios de cada atividade da obra, que resultam em uma avaliação ao mesmo tempo global e detalhada de cada projeto. As informações e avaliações mais relevantes são transmitidas simultaneamente às autoridades responsáveis.

Segundo Carlos de La Corte, consultor da Arena, empresa contratada pelo COL para fazer o acompanhamento de estádios e campos da Copa do Mundo da FIFA, este acompanhamento começou há mais de dois anos.

 “O trabalho de qualificação dos projetos começou no início de 2009. Passada a última edição da Copa do Mundo da FIFA, em 2010, representantes foram designados para monitorar as 12 sedes brasileiras de perto, cada um em uma cidade. O sistema de monitoramento por câmeras, instalado nos estádios a partir do início dos cronogramas de cada obra, é contínuo, para garantir agilidade nos relatos das ações”, resume.

GUIA É REFERÊNCIA INTERNACIONAL

O padrão utilizado pelos técnicos do COL é referência em mais de 185 países. O Project Management Institute (PMI) é a associação de membros líder em gestão de projetos em todo o mundo. A instituição sem fins lucrativos foi fundada em 1969.

As diretrizes para monitoramento são organizadas em um dos 12 guias da PMI, o chamado PMBOK (Project Management Body of Knowledge), um dos manuais mais usados no mundo para gerenciamento.

Em 2007, o PMI foi credenciado pela Organização Internacional para Padronizações (ISO, na sigla em inglês), que certifica práticas, medidas e normas técncias de uso comum em todo o mundo.

Os conhecidos ISOs da máquina fotográfica são um exemplo claro deste tipo de chancela. O nome foi dado justamente por causa da organização, que padronizou as medidas de sensibilidade à luz.

NÚMEROS

12 – São 12 estádios, monitorados diretamente 12 horas por dia

24 – 24 câmeras fornecem imagens disponíveis 24 horas por dia. São duas por estádio.

180 – Os relatórios mensais de acompanhamento têm em média 180 páginas.

40.000.000 – Serão armazenados mais de 40 milhões de segundos em imagem de monitoramento até a Copa do Mundo da FIFA 2014.

EVOLUÇÃO EM FILME

Imagine uma planta fotografada desde o momento em que nasce. Passando as imagens rapidamente em sequência, é possível acompanhar cada fase de vida e o crescimento da planta, como em um filme. A mesma proposta de visualização é feita com os estádios.

Para acompanhar a evolução das obras, são produzidos todo mês filmes com sequências de fotos feitas do mesmo ângulo e no mesmo horário, todos os dias. Ao final da sequência, há um relato visual completo da evolução no mês e ao longo do tempo.