O volante Adriano, do Santos, foi submetido a uma cirurgia no final da tarde da última sexta-feira, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, depois de ter sofrido uma grave torção no tornozelo direito no último dia 17, contra o Atlético-GO, no Pacaembu, pelo Campeonato Brasileiro. E, neste sábado, o clube confirmou que o jogador terá de ficar de três a quatro meses afastado dos gramados.

O Santos tentou adiar ao máximo a realização da operação, pois ainda tinha esperança de recuperar o jogador com o tratamento convencional visando a participação do volante no Mundial de Clubes da Fifa, no próximo mês, no Japão. Entretanto, após ouvir vários especialistas, acabou optando pelo procedimento cirúrgico.

“Foi realizada a estabilização do tornozelo lesionado, com a fixação da sindesmose (articulação fixa em que as superfícies opostas dos ossos são ásperas e unidas por um ligamento interósseo) e abordagem do ligamento medial”, afirmou Maurício Zenaide, médico do Santos, que acompanhou a cirurgia conduzida por Marcos Sakaki, com auxílio dos também médicos José Ricardo e José Otávio Pécora.

Segundo esclareceu Zenaide, Adriano sofreu ruptura extensa do ligamento interno da membrana que liga os dois ossos da perna – tíbia e fíbula, sendo que essa membrana foi rompida até a metade da perna, sem fratura, mas gerando instabilidade.

O Santos informou que o volante já irá iniciar na próxima segunda-feira o seu processo de recuperação no clube, que ainda lamenta a ausência do atleta no Mundial. Ele era considerado o principal trunfo da equipe de Muricy Ramalho para anular o argentino Messi em uma possível final com o Barcelona no próximo mês. Considerado um dos heróis do tricampeonato da Copa Libertadores, obtido neste ano, o atleta defendeu a equipe santista em todos os jogos desta edição da competição continental.