Em assembleia realizada na manhã desta quinta-feira, em Belo Horizonte, os operários que trabalham na reforma do Mineirão decidiram manter a greve iniciada no dia anterior – o estádio está em obras para poder receber jogos da Copa do Mundo de 2014. Após negociação com o consórcio Minas Arena, formado pelas empresas Egesa, Hap e Construcap, os trabalhadores não aceitaram a proposta patronal e continuam reivindicando aumento salarial e melhores condições de trabalho.

“Mais pareceu uma ofensa”, disse Osmir Venuto, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de Belo Horizonte e Região, ao comentar sobre a proposta do consórcio responsável pela reforma do Mineirão. “Eles apenas ofereceram uma cesta básica de 60 reais. Ainda disseram para voltarmos ao trabalho hoje (quinta-feira). Então, se voltássemos ao trabalho hoje, daqui a 10 dias iriam apresentar outra proposta. Soou como ofensa para nós.”

Segundo o sindicato, a maior parte dos cerca de 500 trabalhadores do local entrou em greve. Mas o governo mineiro, através da Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa), informa que a paralisação foi apenas parcial, reforçando que nesta quinta-feira “operários estão executando reparos estruturais na área externa e, na área interna, serviços de contenção e fundação”.

Em nota divulgada nesta quinta-feira, a Secopa diz que “acompanha o processo e aguarda solução rápida para a paralisação parcial que atinge cerca de 40% da obra”. No mesmo comunicado, a Minas Arena afirma que considera “as propostas oferecidas atendem às reivindicações dos operários”.

O salário de um oficial, que abrange as funções de pedreiro, armador, carpinteiro, bombeiro e eletricista, é de R$ 926,20, de acordo com o sindicato. Os trabalhadores solicitam um reajuste para R$ 1.250,00. Os serventes também pedem aumento de R$ 605,00 para R$ 850,00.

Além de maiores salários, os operários pedem o pagamento de horas extras integralmente, cesta básica, instalação do ponto e pagamento do vale transporte em dia.

Apesar do segundo dia de paralisação, a Secopa e a Minas Arena “mantêm a previsão de conclusão da obra do Mineirão para dezembro de 2012”, segundo a nota oficial do governo mineiro. O estádio, inclusive, é um dos mais adiantados na preparação para receber a Copa de 2014.