O Campeonato Brasileiro começa neste sábado (13) prometendo um equilíbrio maior que do ano passado. Se em 2016 o título ficou entre Palmeiras, Santos e Flamengo até as rodadas finais, em 2017 a expectativa é que mais times entrem nesta briga. Porém, o atual campeão acaba saindo na frente em relação aos demais.

Palmeiras

Apesar de ter perdido o principal jogador do ano passado, Gabriel Jesus, o Palmeiras não só manteve a base, como trouxe jogadores que rapidamente se firmaram no time titular, como o volante Felipe Melo, o meia-atacante Guerra e o atacante Borja. Mas, apesar de um elenco encorpado, o clube paulista não conseguiu engrenar. Foi eliminado nas semifinais do Paulistão e ainda não está matematicamente classificado.

Na tentativa de melhorar o desempenho, o Palmeiras então demitiu Eduardo Baptista e trouxe de volta o comandante campeão do ano passado. Cuca foi apresentado esta semana e parece ter dado uma motivação maior ao grupo, que elogiou a volta do treinador.

“Aprendi bastante coisa com o Eduardo, sou grato a ele. Nunca escondi dele que vinha numa função que não me sentia à vontade. Muitas vezes ficava no meio dos volantes pegando a bola de costas. Não é uma critica, preferia jogar da maneira que o Cuca joga. Só isso”, disse o volante Tchê Tchê. Só um exemplo de que a tendência é que agora o time retorne ao futebol convincente e tente colocar o favoritismo na teoria em prática.

Time-base: Fernando Prass; Jena, Victor Hugo, Mina e Zé Roberto (Michel Bastos); Felipe Melo, Tchê Tchê e Guerra; Dudu, Borja e Willian. Técnico: Cuca.

Fred é o favorito para ser o artilheiro do Brasileirão. Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG
Fred é o favorito para ser o artilheiro do Brasileirão. Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

Atlético-MG

O Atlético-MG terminou 2016 em um misto de alta e baixa. Foi vice-campeão da Copa do Brasil e terminou o Brasileirão em quarto. Porém, a queda de produção na reta final da temporada derrubou o técnico Marcelo Oliveira e fez a diretoria buscar Roger Machado para 2017. O novo treinador demorou para achar a formação ideal do Galo, mas que vem subindo de produção nas últimas partidas. Tanto que está classificado para as oitava de final da Libertadores com uma rodada de antecedência e foi campeão mineiro invicto. Do time do ano passado, o principal reforço foi o volante Elias, que se encaixou bem e forma um grupo muito forte, com nomes como Victor, Robinho e Fred.

Time-base: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Adilson, Rafael Carioca, Elias e Otero (Cazares); Robinho e Fred. Técnico: Roger Machado.

Botafogo

Talvez uma das grandes surpresas da temporada seja o Botafogo. O time carioca já havia chamado a atenção no ano passado, quando conseguiu uma vaga na Libertadores. Mas no caminho na competição continental tinha pela frente Colo Colo, Olímpia e um grupo complicado, com o atual campeão, o Atlético Nacional. O Botafogo não só chegou à fase de grupos, como está em uma situação confortável. Uma das revelações de 2016, o técnico Jair Ventura tem uma base definida e conta com as boas fases do volante Bruno Silva e dos atacantes Sassá e Rodrigo Pimpão. Sem contar com a dupla de armadores, Camilo e Montillo, e a possível volta do goleiro Jefferson ao longo da competição.

Time-base: Gatito Fernandez; Arnaldo, Carli, Emerson Silva e Victor Luis; Airton, Bruno Silva, Montillo e Camilo; Rodrigo Pimpão e Sassá (Roger). Técnico: Jair Ventura

Fábio Carille era última opção e de repente evoluiu o Corinthians, mesmo diante das dificuldades. Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Fábio Carille era última opção e de repente evoluiu o Corinthians, mesmo diante das dificuldades. Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Corinthians

De quarta força de São Paulo ao título estadual. Esse foi o caminho do Corinthians nos primeiros quatro meses da temporada. O caminho, que passou por uma eliminação na Copa do Brasil e uma classificação na Copa Sul-Americana, demorou para engrenar, mas atualmente o Timão é uma das equipes mais regulares do Brasil, com um futebol bem encaixado e com opções no elenco capazes de mudarem uma partida, como Rodriguinho, Jadson e Jô, além de muitos garotos ganhando espaço, como Guilherme Arana e Maycon.

Time-base: Cássio; Fagner, Pablo, Balbuena e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Rodriguinho, Jadson e Romero; Jô. Técnico: Fabio Carille

Cruzeiro

Vice-campeão mineiro e eliminado precocemente na Sul-Americana pelo Nacional do Paraguai. A semana que antecede a estreia no Campeonato Brasileiro não foi das melhores para o Cruzeiro. Porém, não quer dizer que o time chega mal para a competição. Pelo contrário. Na maioria dos jogos do ano, a equipe do técnico Mano Menezes mostrou um forte poder ofensivo, com o quinteto Rafinha, Thiago Neves, Arrascaeta, Rafael Sóbis e Ábila. Além disso, o zagueiro Dedé, depois de mais um ano parado por lesão, está recuperando a boa forma.

Time-base: Rafael (Fábio); Mayke, Léo, Caicedo (Dedé) e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson, Rafinha, Thiago Neves e Arrascaeta; Rafael Sóbis. Técnico: Mano Menezes

Flamengo

Campeão carioca invicto e líder do grupo na Libertadores. O Flamengo teve um começo de temporada muito positivo, o que deu ainda mais confiança ao torcedor. Liderado por Guerrero, o rubro-negro carioca vem, não só conquistando bons resultados, como também jogando bem. Conseguindo variar jogadas, o técnico Zé Ricardo tem o grupo na mão e ainda terá o retorno do meia Diego, que está em reta final de recuperação de lesão, dando ainda mais qualidade ofensiva ao time.

Time-base: Alex Muralha; Rodinei, Donatti, Réver e Renê; Márcio Araújo, Willian Arão, Everton, Diego e Trauco; Guerrero. Técnico: Zé Ricardo

Leia também: Vai começar o Brasileirão! E a dupla Atletiba terá adversários fortes!

Fluminense

O Fluminense vive uma verdadeira reformulação em 2017. No ano passado, começou bem o Brasileirão, mas depois perdeu Fred e o time caiu de produçao. Chegou o novo ano e, junto com ele, Abel Braga, um velho conhecido do clube e que o levou ao último título nacional da equipe, em 2012. Mas, se no banco tem uma peça experiente, em campo a garotada é a grande aposta. Apesar de nomes como Diego Cavalieri, Lucas e Henrique, mas muitos jovens, casos de Douglas, Orejuela, Sornoza e Pedro. Até aqui, o time vem mostrando que pode dar liga, mesmo com resultados recentes ruins.

Time-base: Diego Cavalieri; Lucas, Gum, Henrique e Léo; Douglas, Sornoza, Orejuela, Marcos Júnior, Henrique Dourado e Richarlison (Gustavo Scarpa). Técnico: Abel Braga

Grêmio

O Grêmio não é o mesmo que fechou a temporada de 2016 como campeão da Copa do Brasil. Com mais dificuldaes do que o esperado na Libertadores e fora até da final do Campeonato Gaúcho, o tricolor gaúcho vem penando e larga um pouco atrás para o Brasileirão. Porém, não pode se descartar a equipe de uma briga lá em cima. Afinal, no elenco existem nomes como Marcelo Grohe, Pedro G550eromel, Maicon, Luan e Barrios. Douglas deve voltar no segundo semestre, fortalecendo ainda mais as opções do técnico Renato Gaúcho, que vem de um bom retrospecto na competição.

Time-base: Marcelo Grohe; Edilson, Pedro Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Ramiro, Maicon, Léo Moura, Bolaños e Luan; Barrios. Técnico: Renato Gaúcho

Santos

Ninguém vem mantendo a base titular há tanto tempo quanto o Santos. Depois de sete anos, o Peixe ficou fora pela primeira vez da final do Paulistão, mas vive situação tranquila na Libertadores e está nas quartas de final da Copa do Brasil. Sempre contando com jovens, como Lucas Veríssimo, Thiago Maia, Vitor Bueno e Bruno Henrique, misturados com os medalhões Renato e Ricardo Oliveira. Além do diferencial de Lucas Lima. Uma base titular que foi reforçada e faz do Santos, o atual vice-campeão, sonhar com um degrau a mais em 2017.

Time-base: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Renato, Thiago Maia, Lucas Lima e Vitor Bueno; Bruno Henrique e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior