Oscar iniciou a carreira no São Paulo, mas foi no Internacional que ele teve a oportunidade de mostrar todo o seu grande potencial. E foi graças a isso que ele conseguiu conquistar um lugar na seleção brasileira e chamar a atenção do Chelsea. O meia reconhece que deve muito ao Inter e, por isso, sente enorme alegria por defender o Brasil em Porto Alegre – ainda que seja no estádio do rival, o Grêmio.

“Jogar em Porto Alegre me deixa muito feliz”, contou Oscar neste sábado, em entrevista coletiva concedida no hotel de Porto Alegre em que a seleção está concentrada. “Tenho muitos amigos aqui na cidade. Eu marquei muitos gols no Beira-Rio e espero fazer o mesmo no estádio do Grêmio.”

Na opinião do meia, que é titular indiscutível da equipe de Luiz Felipe Scolari, a seleção tem de encarar a partida deste domingo, contra a França, como uma decisão de campeonato. Nada, portanto, de poupar energias para a Copa das Confederações, que começará no próximo sábado. “É jogo para ir com tudo. A gente tem de mostrar o nosso futebol, evoluir, não pode tirar o pé”, comentou o jogador. “Se a gente tirar o pé e perder, vai ser pior.”

Por ter disputado muitas partidas pelo Chelsea na temporada europeia, terminada recentemente, Oscar se apresentou à seleção desgastado. Tanto que até foi poupado dos primeiros treinos da equipe em Goiânia, mas ele garante que agora está em boas condições.

O meia diz que, se não jogar bem contra a França, ou na Copa das Confederações, não será por algum problema físico. “Estou bem. Agora há poucos jogos a disputar e depois, férias. Não tenho de reclamar, mas fazer de tudo para ajudar o time”, falou ele. “Às vezes a gente sente um pouco de desgaste muscular, mas não tenho nenhuma lesão, então estou bem.”