No início do ano, o São Paulo pagou R$ 4,5 milhões de reais para o Al Ahli, dos Emirados Árabes Unidos e adquiriu 50% dos direitos econômicos do atacante Osvaldo para contar com o atleta por quatro temporadas. O jogador chegou para ser o substituto imediato de Dagoberto, que foi para o Inter.
Mas após pouco mais de quatro meses, Osvaldo ainda não mostrou a que veio. Com baixo rendimento nos treinos, chegou até mesmo a ficar de fora do banco de reservas. E no último jogo da equipe, contra o Bahia, pelo Brasileiro, mesmo sem Lucas, o técnico Emerson Leão preferiu escalar o jovem Rafinha no time titular.

Osvaldo, porém, refuta qualquer tipo de acomodação. “É meu estilo de treinar”, explicou. “O professor Leão quer que eu treine mais forte. Sempre foi o meu estilo, mas ele falou para eu treinar mais forte e procurei treinar”, acrescentou.

Osvaldo está escalado por Leão na equipe que começara o jogo com o Inter, quarta-feira, às 21h50, no Beira-Rio, pela terceira rodada do Nacional.

“Tenho feito algo a mais nos treinos para ter o que preciso. Agora tenho feito mais finalização com o Fernandinho e o restante do grupo, que tem me ajudado bastante. Ele [Leão] ficou feliz com meu desempenho nos últimos treinos. Tive mais oportunidade para mostrar cada vez mais e ajudar a equipe”, disse o camisa 17.

Osvaldo revela que o período em que não foi nem para o banco serviu para que ele evoluísse. “Eu vinha trabalhando. Foi opção do professor Leão me deixar fora. É até bom, comecei a ver que preciso dar algo mais. Procurei trabalhar para estar preparado e, na última atuação, consegui ajudar meus companheiros.”