Os desfalques foram os culpados do empate por 2 a 2 entre Palmeiras e Atlético-MG, neste sábado, no Allianz Parque. Pelo menos, este foi o motivo dado pelo técnico Oswaldo de Oliveira para a má atuação diante do time reserva da equipe mineira. O treinador destacou a qualidade do adversário e disse que o fato de os rivais entrarem em campo muito defensivos também atrapalhou sua equipe.

“As nossas dificuldades foram por causa dos jogadores que perdemos durante a semana. Tivemos vários desfalques que alteraram o nosso ritmo de jogo. As alternativas para mexer na equipe também foram um pouco difíceis”, analisou o treinador.

Os desfalques sentidos por Oswaldo foram os atacantes Leandro Pereira e Cristaldo, o zagueiro Jackson, o volante Arouca e o meia Cleiton Xavier. Pelo menos três deles seriam titulares neste sábado: Leandro Pereira, Arouca, Jackson, Cleiton Xavier e Cristaldo seriam boas opções para tentar mudar a situação da partida.

Para Oswaldo, seria melhor ao Palmeiras que o Atlético entrasse em campo com sua formação titular. “Foi um jogo dificílimo, como a gente previa, pela qualidade do adversário. A forma pela qual o Atlético conduziu a partida, sinceramente, eu preferia que eles tivessem jogado com os titulares, porque essa situação de considerar um time reserva fez com que eles tivessem uma proposta mais defensiva e jogando no contra-ataque”, comentou.

O treinador também explicou o motivo de ter tirado o volante Gabriel, único que estava marcando bem durante a partida. Foi justamente em sua posição que o Atlético-MG conseguiu espaço para chegar ao segundo gol. “Eu precisava fazer isso. Foi uma opção mais técnica do que física. Pensei bem, chamei o Robinho e perguntei para ele, já que ainda estamos conhecendo os jogadores. Ele me deu aval e fomos em frente. Precisávamos dessa atitude”, explicou. Robinho acabou sendo recuado como primeiro volante.