Renato completa a bateria de exames médicos nesta terça-feira no CT Rei Pelé, em seguida assina contrato e até pode treinar pela primeira vez com os novos companheiros de Santos, à tarde. Nesta segunda, o volante passou por avaliação cardiológica num hospital de São Paulo e era esperado à tarde no CT, mas não apareceu. Renato vai ganhar R$ 80 mil mensais fixos e remuneração extra por jogos que disputar. É o primeiro dos reforços pedidos por Oswaldo de Oliveira para qualificar tecnicamente o grupo após o fiasco santista na decisão do Campeonato Paulista.

O próximo e maior de todos tem tudo para ser Diego, principalmente se o Atlético de Madrid não conquistar a Liga dos Campeões. O contrato de três anos está apalavrado, segundo um dos integrantes do Comitê de Gestão, e dificilmente algum clube europeu vai cobrir a oferta santista de R$ 800 mil mensais ao segundo maior ídolo da geração campeã de 2002, atrás só de Robinho.

A chegada de Renato é o cumprimento da promessa que o treinador fez ao jogador ainda no ano passado. “Ao tomar conhecimento de que eu estava acertando com o Santos, Renato me pediu: ‘Me leva de volta para casa, professor’. Naquela oportunidade a negociação era impossível em razão do alto salário dele, mas agora as coisas caminham bem”, contou Oswaldo, na semana passada, antes do acordo que o volante fez com o Botafogo, aceitando fazer um abatimento nos R$ 760 mil a que teria direito se ficasse até o fim do seu contrato, em 30 de junho.

Renato é o tipo de jogador versátil que se adapta com facilidade em qualquer posição, mas a ideia de Oswaldo é usá-lo apenas em alguns jogos para dar descanso a Arouca, o titular que mais corre – entre 10 a 12 quilômetros por partida – e que, por se desgastar demais, é quem mais fica exposto ao risco de sofrer lesão, principalmente em semanas com dois jogos. “Pretendo aproveitar a parada da Copa do Mundo para dar a melhor preparação ao Renato.”

Se no Botafogo de Oswaldo os garotos foram aos poucos tirando o espaço de Renato, no Santos a situação é inversa. Após as finais do Paulista, o treinador percebeu que para jogos mais “pegados”, contra adversários fortes, a maioria dos garotos ainda sente o peso da responsabilidade, e Renato chega para a sua segunda passagem pelo clube – a primeira foi entre 2000 e 2004 – para acrescentar experiência como primeiro ou segundo volante, armador ou até como atacante.

PROBLEMA NA ESQUERDA – Zé Carlos deve ser o lateral-esquerdo no jogo de volta contra o Princesa do Solimões, quinta-feira à noite, pela Copa do Brasil, na Vila Belmiro, em razão da lesão sofrida por Émerson Palmieri no músculo posterior da coxa esquerda, domingo, diante do Figueirense, em Londrina. Outra possibilidade é Oswaldo improvisar Bruno Peres na posição. Mena está recuperado da inflamação no tendão de Aquiles, correu em volta dos campos do CT, nesta segunda, mas deve ser poupado dos próximos jogos para se apresentar em perfeitas condições à seleção chilena.