Pressionado pela proximidade da zona de rebaixamento e pela série de quatro jogos sem marcar e vencer no Campeonato Brasileiro, o Palmeiras conseguiu dar uma resposta neste sábado. O atual campeão jogou com eficiência e contou com a força da torcida para bater o Fluminense por 3 a 1, pela sexta rodada, no Allianz Parque, e se afastar do princípio de crise pelos maus resultados e cobranças internas.

Se a partida pudesse ser personificada, teria como nome o venezuelano Guerra. O meia voltou à equipe para a partida, marcou um gol e organizou todo o trabalho de criação de jogadas. Se teve lance de perigo do Palmeiras, teve a presença do jogador, que por um desejo do clube, ficou no Brasil e não viajou para disputar amistosos pela seleção do seu país nos Estados Unidos.

O Palmeiras procurou o remédio para crise na receita do sucesso do ano passado. O time pressionou bastante o adversário logo no começo e marcou o gol ao estilo do técnico Cuca, depois de cobrança de lateral. A bola veio da esquerda, foi ajeitada de cabeça e terminou nas redes com o chute de primeira de Guerra. Aos nove minutos a equipe estava em vantagem e parecia se tranquilizar.

A situação cômoda durou pouco. O Fluminense descobriu o atalho ao gol em um veneno criado pelo próprio Palmeiras. O assédio do clube paulista pelo atacante Richarlison fez o jogador pedir para não atuar, mas o substituto dele deu um enorme trabalho. O veloz Marcos Calazans chegou à linha de fundo diversas vezes em uma dessas investidas, serviu para Henrique Dourado igualar, aos 18 minutos.

Afoito para reagir, o Palmeiras precisou trocar o posicionamento do time para que Tchê Tchê virasse lateral e desse conta de Calazans. Enquanto isso, o setor ofensivo sofria para fazer as jogadas, por pura ansiedade. O erro no toque final manteve o segundo gol sob suspense até que aos 40 minutos, Róger Guedes fez jogada brilhante, ao passar por dois e rolar para Keno finalizar.

Como estava pela segunda vez com a vantagem, o Palmeiras soube se aproveitar da situação. O Palmeiras voltou do intervalo com o volante Thiago Santos para reforçar a marcação, sem que a mudança recuasse o time. A equipe controlou a partida ao se utilizar da estratégia de manter a posse de bola no campo de ataque. Porém, enquanto não definiu a partida, o perigo continuou a rondar.

Pelo menos o tempo passou a favor do Palmeiras. Mesmo sem ser dominante, o time conquistou uma vitória importante, graças a uma defesa de Fernando Prass nos acréscimos e o gol final de Róger Guedes, ao aproveitar contra-ataque. O resultado é fundamental por frear a crise e propiciar a chance de recuperar a confiança na temporada.

O triunfo, afinal, afastou o Palmeiras da proximidade da zona de rebaixamento, o deixando com sete pontos, a três do Fluminense. Na próxima quarta-feira, o time enfrentará o Santos na Vila Belmiro. Já a equipe carioca buscará a reabilitação no dia seguinte, no Maracanã, contra o Grêmio.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 3 X 1 FLUMINENSE

PALMEIRAS – Fernando Prass; Jean (Thiago Santos), Edu Dracena, Juninho e Zé Roberto; Felipe Melo (Fabiano), Tchê Tchê e Guerra; Róger Guedes, Keno (Michel Bastos) e Willian. Técnico: Cuca

FLUMINENSE – Júlio César; Lucas, Henrique (Marcos Junior), Reginaldo e Léo; Luiz Fernando (Nogueira), Wendel, Marcos Calazans, Gustavo Scarpa e Marquinho (Matheus Alessandro); Henrique Dourado. Técnico: Abel Braga.

GOLS – Guerra, aos 9, Henrique Dourado, aos 18, e Keno, aos 40 minutos do primeiro tempo. Róger Guedes, aos 48 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Felipe Melo Zé Roberto, Róger Guedes (Palmeiras); Henrique Dourado e Henrique (Fluminense).

RENDA – R$ 2.126.138,83.

PÚBLICO – 33.066 pagantes.

LOCAL – Allianz Parque, em São Paulo (SP).