A diferença entre o Palmeiras e o ABC é de 33 pontos. Um mira o acesso daqui a poucas rodadas, enquanto que o outro luta contra o rebaixamento. Apesar da discrepância de momentos, o time alviverde teme um tropeço neste sábado, às 16h20, no estádio Frasqueirão, em Natal, pela 27.ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

O motivo de tanto pessimismo – ou pés no chão – é a situação da equipe para o jogo. No total, são oito desfalques, sendo cinco titulares absolutos. Casos de Henrique, Leandro e Valdivia, suspensos, e Luis Felipe e Juninho, machucados. A lista conta ainda com Vinicius, Tiago Alves e Bruno, outros que se recuperam de lesão.

O problema é que a ausência do trio suspenso faz com que o técnico Gilson Kleina tenha que remontar uma nova formação e mudar drasticamente as características de seu time. Sem Henrique, perde na marcação e na saída de bola da defesa para o meio. Valdivia é o “cérebro”, um craque que consegue com um toque mudar um jogo. E Leandro é o artilheiro da equipe na temporada.

“A mudança de jogadores faz a gente perder o padrão e se torna um adversário extra”, lamentou Gilson Kleina, tão preocupado com a situação que até exagera nos elogios ao adversário. “O ABC mudou muito com a chegada do novo técnico (Roberto Fernandes) e vive uma grande reação. Não podemos achar que será fácil”.

No caso de Valdivia e Henrique, os dois desfalcarão a equipe nas próximas quatro partidas, já que depois vão para suas seleções nacionais. Então ou Gilson Kleina aprende a montar o time sem a dupla ou o acesso vai demorar mais do que o esperado.

Cheio de remendos, o treinador deve apostar em um time mais defensivo. Mendieta volta de suspensão e será o organizador do time, com a ajuda de Wesley. Nas laterais, Wendel e Marcelo Oliveira entram e são muito mais marcadores do que Luis Felipe e Juninho. E, no ataque, Serginho ganha uma oportunidade ao lado de Alan Kardec.

Em relação ao futuro, Luis Felipe tem contrato até março do ano que vem e negocia a renovação. “Os números ainda estão distantes”, avisou o empresário do atleta, Guilherme Miranda. Ele não revela valores, mas o zagueiro pede algo em torno de R$ 100 mil mensais para renovar. O agente é o mesmo do lateral-direito Bruno Oliveira, que assinou nesta sexta a prorrogação de seu contrato por mais quatro temporadas.