A situação nos bastidores do Palmeiras está cada vez mais complicada. Durante evento de anúncio do patrocínio da Nestlé à seleção brasileira, o empresário J. Hawilla, dono da Traffic, afirmou que foi um erro da diretoria palmeirense ter afastado Diego Souza da equipe.

O meio-campista foi descartado do Palmeiras após criticar a torcida pelas vaias na partida contra o Atlético-GO, no Palestra Itália, no primeiro jogo das quartas de final da Copa do Brasil. O jogador, inclusive, foi afastado dos treinos e não vestirá mais a camisa do clube.

“Foram uns 200 torcedores que xingaram ele, não a torcida do Palmeiras”, explicou Hawilla. “Vejo como um erro o fato de o Diego ter sido afastado. Mas não o negociarei com o Corinthians nem com o São Paulo”, completou o empresário.

A Traffic é dona dos diretos de Diego Souza e investe na equipe do Palmeiras. De acordo com J. Hawilla, o meia aguarda uma proposta boa do futebol estrangeiro. Se a oferta não chegar, ele pode ir para o Fluminense ou para o Internacional.

J. Hawilla afirmou que não tem muito conhecimento do que se passa no Palmeiras, mas não perdeu a chance de criticar a montagem do elenco do Palmeiras e, indiretamente, o trabalho realizado pela diretoria do clube. “O Palmeiras precisa de uns dois atacantes. Disputar o Brasileirão apenas com o Robert não dá. Coitado do Antônio Carlos.”

Publicamente, J. Hawilla disse que continua como parceiro do Palmeiras. O dirigente, no entanto, afirmou que não negocia com nenhum jogador que possa interessar ao clube. “O mercado está complicado, e não iremos atrás de Kléber (atacante do Cruzeiro). O Palmeiras teve interesse em Kléber Pereira, mas um atleta com a idade dele é complicado.”