O Palmeiras teve tudo para conseguir, neste domingo, a sua primeira vitória após um jejum de oito jogos e afastar de vez o fantasma do rebaixamento. Mas o gol levado no último minuto da partida do Olímpico, que deu ao Grêmio o empate em 2 a 2, mantém o time alviverde em situação perigosa. Com 42 pontos, ainda precisa de pelo menos dois para não correr mais riscos de cair para a Série B.

Como nas duas últimas rodadas o Palmeiras faz clássicos contra São Paulo e Corinthians, uma vitória contra o Vasco, quarta, no Pacaembu, é essencial para que o clube afaste, o quanto antes, a ameaça de cair. Para os jogadores alviverdes, o fato de uma vitória significar uma ajuda indireta ao Corinthians, que briga com o Vasco pelo título, não é argumento para que o Palmeiras não dê seu máximo para voltar a ter um resultado positivo.

“A gente ainda corre o risco de rebaixamento. Temos que fechar o ano com dignidade”, disse o volante Marcos Assunção, nesta segunda-feira, no desembarque da equipe no Aeroporto de Congonhas. “Não podemos deixar para depois”, completou, ao falar sobre o risco de rebaixamento.

O lateral-direito Cicinho, autor do segundo gol da equipe no Olímpico, também não quer nem saber de pensar em derrota para o Vasco por conta da rivalidade. “Temos que pensar primeiro em nós. É uma situação diferente, mas a gente não tem que se preocupar com os outros”, disse o jogador.

Apesar dos nove jogos sem vitória, a torcida não protestou no tranquilo desembarque do Palmeiras em São Paulo. Para Cicinho, o time apresentou evolução no Olímpico. “Infelizmente tomamos o gol no fim, mas o time já jogou melhor. A semana foi boa, tivemos uma boa conversa com o grupo”, avaliou.