São Paulo – O Palmeiras inicia sua caminhada rumo à fase principal da Copa Libertadores. Hoje, às 21h45, a equipe paulista recebe em casa os venezuelanos do Deportivo Táchira a quem já venceram duas vezes na edição 2005, pelo torneio classificatório para a chave principal da maior competição das Américas.

Chegar à conquista continental virou objetivo máximo para os brasileiros. E o torcedor palmeirense segue o riscado mesmo porque o último título importante do Palmeiras foi justamente a Libertadores de 1999. Fez filas enormes em torno do Parque Antártica desde a 2.ª feira e praticamente esgotou os ingressos para a estréia. Serão 30 mil torcedores incentivando o time.

O treinador Emerson Leão deixou clara a maneira como comandará o Palmeiras: jogando com o regulamento debaixo do braço, quer garantir a vitória em casa e sem ser vazado, já que os gols fora de casa valem o dobro. Para tanto, espera que a torcida não cobre uma goleada sobre o Táchira. ?Não temos que fazer o que ela (torcida) quer, mas saber conduzi-la a nosso favor?, afirmou. ?O objetivo não é de golear, mas de vencer.?

Vindo de uma goleada de 6 a 2 para um time chamado Carabobo, o Táchira não tem sido considerado como adversário à altura para o Verdão. Leão, porém, nem quer ouvir falar de favoritismo: ?Eles não vão jogar com a gente como enfrentaram o Carabobo, que não pesa internacionalmente.?

Como trunfo, Leão carrega a impressionante marca de ter disputado as quatro últimas edições da Libertadores, com Santos, São Paulo e agora Palmeiras. ?É uma marca da qual tenho orgulho mesmo sem ter saído com o título?.

Com Juninho ainda em recuperação, Leão também não contará com o atacante Enílton, lesionado na coxa direita. Em seu lugar, joga Washington.

Bola desagrada palmeirenses

São Paulo – ?Essa bola é uma porcaria!? A análise é do técnico Emerson Leão, sobre a nova bola que será utilizada nos jogos da Libertadores, feita pela Nike.

A bronca é por dois motivos: o peso (considerado muito leve) e a cor em efeito dégradé, a bola sai do amarelo para o branco. ?Dégradé é coisa de viado!?, decretou Leão.

Famoso por não ter papas na língua e reclamar publicamente de tudo o que não lhe agrada, o técnico continuou seu discurso: ?O problema é que tudo atende às leis do mercado. Sabe o que significa ?the king of money?? Sua majestade, o dinheiro. É uma bola feita para vender, mas horrível para jogar, principalmente à noite e para os goleiros. É muito leve.?

Todos os outros jogadores também reclamaram da bola, principalmente o goleiro Marcos. A maior crítica dele foi justamente com relação ao fato de ela ser bicolor. ?Isso atrapalha muito. Ela vem girando e a gente fica até tonto. É bola feita para atacante meter um monte de gols?.

A bola chamada ?Mercurio Vapor? ?é feita para ser 4% mais rápida que as outras?, segundo a Nike. Apesar das críticas, a empresa lembra que a bola tem as medidas padrão e foi aprovada pela Fifa.