A Federação Chilena de Futebol tentou liberar o meia Valdivia, do Palmeiras, mais cedo para a disputa da Copa América. Segundo o diretor de futebol do clube, Alexandre Mattos, a entidade fez uma sondagem para conseguir a presença do camisa 10 antes do período obrigatório para a preparação das equipes para a disputa da competição.

O plano do Palmeiras é somente liberar o jogador depois do clássico com o Corinthians, no dia 31, fora de casa. “O Valdivia será liberado dentro do prazo que a Fifa determina. Houve sondagem da Federação Chilena, mas respondemos que não”, disse o diretor em entrevista à Rádio Globo. No ano passado, antes da Copa do Mundo, o jogador se apresentou duas semanas antes do obrigatório.

Segundo Mattos, a recusa é um exemplo de que não há privilégios no elenco. “Não tem tratamento diferente nem ninguém mimado. Temos um atleta que precisa de cuidados, como o Zé Roberto, o Prass, o Dudu, cada um com seu perfil, e isso é passado à comissão, que tem total poder para levar ou não aos jogos. O Valdivia não é diferenciado, todos os atletas são iguais”, afirmou o dirigente.

O chileno ainda está envolvido em uma arrastada negociação para renovar o contrato, que termina em agosto. O meia não aceitou a primeira proposta do clube, que ofereceu um salário menor do que o atual, mas o dirigente afirmou estar otimista com a possibilidade de renovação.

“Tentei levar o Valdivia para o Cruzeiro três vezes, ele é diferenciado em vários sentidos. Obviamente, o Palmeiras tem um projeto e uma nova filosofia, todos os funcionários precisam entrar dentro da ideia de uma gestão de excelência. Se o Valdivia fizer parte disso, terei grande prazer de contar com um jogador como ele”.