Luís Mário e Edinho bem que tentaram
poupar a bola, mas no geral, ela sofreu.

No lado dos mandantes, os frustrados. Esta era a posições dominantes entre os coxas-brancas o empate de sábado. A tristeza por mais dois pontos perdidos dentro do Couto Pereira (o Coritiba já perdeu dez pontos em casa neste Brasileiro, sendo dois empates e duas derrotas) foi tão grande que chegou a ser surpreendente. Ao contrário de aludir o “fator clássico” para justificar o 1 x1 com o Paraná, o clima alviverde era de derrota.

O técnico Antônio Lopes não conseguia esconder a frustração. “Nós consideramos esse resultado uma derrota. Com toda a vantagem, jogando em casa e tendo o domínio da partida, nós não fizemos o que era a nossa obrigação: vencer o jogo”, reclamou. “Nós ficamos todo o tempo no ataque e nosso adversário deu um chute no gol. E o jogo acabou empatado. Não podemos desperdiçar mais pontos em casa”, resumiu.

A dificuldade de fazer o resultado em casa está deixando Lopes irritado. “Só ganhamos dois jogos no Couto Pereira. É muito pouco. Isso não pode acontecer. É um fato que me preocupa muito”, afirmou o treinador. Além disso, o Coxa segue tendo o pior ataque do Brasileiro, com apenas oito gols marcados em onze rodadas (média de 0,73 por jogo). Ao menos, terminou o jejum de Tuta, que não marcava desde o dia 25 de abril, na partida contra o Fluminense, válida pela segunda rodada.

Mas a preocupação é maior que as possíveis comemorações. Após o jogo, Antônio Lopes ficou mais tempo que de costume no vestiário para “esfriar? a cabeça. Alguns jogadores preferiram nem aparecer na sala de imprensa, como Luís Mário, Adriano e Luís Carlos Capixaba, que foi expulso. Dentre os que conversaram com os jornalistas, o único a falar sobre a dificuldade da partida foi Roberto Brum. “Não seria um jogo fácil, e nós sabíamos disso. O que nós lamentamos é que o Axel acertou um chute de longe e fez o gol”, disse o “Senador”.

Por outros caminhos, esta também foi a explicação de Rodrigo Batata para as dificuldades em jogar em casa. “O futebol é resultado. E a gente não está fazendo os gols para conseguir as vitórias”, avaliou. “Nós estamos tendo problemas porque os adversários jogam fechados contra a gente”, ponderou o capitão Reginaldo Nascimento. Mas foi o goleiro Fernando que resumiu a irritação coxa. “Foi horrível. Temos que melhorar muito”, finalizou.