O zagueiro experiente não vem mais, e o Paraná Clube vai à Libertadores com um buraco no setor defensivo. Com apenas três beques disponíveis, o Tricolor embarca para a Venezuela torcendo para que uma lesão não obrigue o técnico Zetti a alterar o sistema tático.

Com a saída de Aderaldo, a posição que já era carente em peças de suplência ficou ainda mais desfalcada. A diretoria buscava dois zagueiros, e um deles, experiente e com passagem por grandes clubes do País, estava praticamente acertado.

Mas ontem, na hora de definir o contrato, houve divergência de última hora na questão salarial e o clube desistiu da contratação. Visivelmente contrariado, o vice-presidente José Domingos não quis revelar o nome do atleta. ?Não vou dar publicidade a quem faz leilão?, esbravejou.

Para ?compensar?, a diretoria trouxe um reforço para setor menos carente. O lateral-direito Léo Mattos, 20 anos, foi apresentado ontem e será inscrito na competição continental. Criado pelo Flamengo, o jogador passou dois anos no Olympique de Marselha, voltou ao time da Gávea em 2005 e retornou à equipe francesa em maio de 2006, onde ficou até agora. No Olympique, disse ter atuado somente pelo time B e em alguns jogos da Copa da França, competição em que os clubes maiores costumam utilizar reservas.

Como o jogador não tinha mais vínculo com o Flamengo, a transação nada tem a ver com o empréstimo de Leonardo e Maicosuel aos cariocas. Mas o novato consultou os ex-companheiros Vinícius Pacheco e Egídio antes de assinar com o Tricolor. ?Falaram muito bem do clube. E o fato de disputar uma Libertadores também influenciou?, falou o jogador, que cometeu pequena gafe na apresentação. ?Não conheço bem a história do clube, mas acho que é primeira Libertadores do Paraná.?

Léo Mattos é destro, mas disse já ter atuado na lateral-esquerda pelo Flamengo. Na posição de origem do jogador, o Paraná conta no elenco com André Luiz, Alex (inscritos na Libertadores), Parral e, numa emergência, com Goiano. Por outro lado, na zaga há apenas quatro zagueiros listados para a competição continental -Daniel Marques, Neguete, João Paulo e João Vítor.

Este último, porém, sofreu lesão muscular e está temporariamente fora de combate. Como o técnico Zetti deve adotar o esquema com três beques, não terá especialistas da função no banco de reservas.

O outro paranista inscrito na segunda fase da Libertadores é Felipe Alves – ao contrário do novo contratado, o meia vai integrar a delegação que viaja hoje para a Venezuela, onde o Tricolor enfrenta o Unión Maracaibo na quinta-feira. Eles substituem Aderaldo e Zumbi, que foi emprestado para o Mixto (MT).

Felipe Alves vira xodó

De reserva do time B, Felipe Alves evoluiu para uma das peças tricolores para a Copa Libertadores. Integrado à lista dos 25 paranistas na competição continental, o meia vai à Venezuela, mas rejeita atuar fora da posição de origem.

O ex-jogador da Adap ganhou o ?prêmio? depois de duas boas atuações, em que teve participação decisiva em dois gols – um passe preciso para o Vandinho, contra o Cianorte, e uma pancada de fora da área contra o Cascavel. Assim, desbancou Renan, antes o favorito para ser um dos dois novos inscritos na segunda fase da Libertadores.

Depois da partida em Cascavel e do primeiro gol com a camisa paranista, Felipe Alves ganhou elogios do chefe. ?Felipe teve um bom comportamento, está subindo de produção e muito disposto. Foi primeira partida em que disputou 90 minutos?, falou Zetti.

O jogador, porém, deu a entender que não pretende ocupar a função de Goiano, suspenso do jogo em Maracaibo. ?Temos o Xaves, que é um excelente jogador. Quando cheguei no Paraná, me colocaram como primeiro volante e não rendi bem. Espero sempre ajudar como segundo volante?, disse o meia.