Atrás da formação ideal, o técnico Paulo Comelli adotou uma nova estratégia em relação aos goleiros. Na base do rodízio, vai buscar o jogador ideal para vestir a camisa 1 do Paraná Clube na temporada 2009.

Com isso, Ney herda a posição de Felipe para o jogo de amanhã – às 16h50, no Olímpico Regional -, frente ao Cascavel. Na sequência, pretende dar uma oportunidade também ao garoto Rodolfo, recém-chegado da Copa São Paulo de Juniores, antes de fazer a sua escolha definitiva.

Uma decisão surpreendente, exatamente uma semana após ter optado por Felipe para iniciar o Paranaense. Antes da estreia, o treinador disse apenas que Felipe estava em melhores condições físicas e técnicas.

Só que o ex-santista vacilou contra o J. Malucelli – cometeu pênalti após uma saída em falso -e frente ao Paranavaí sequer foi exigido. A única bola contra a meta tricolor resultou em gol do adversário.

“Isso não tem nada a ver com o rendimento do Felipe. Afinal, contra o Jota, ninguém jogou nada”, disse Comelli. “O Ney subiu de produção nessa semana e acho justo que observemos todas as opções antes de definir quem será o titular.”

O treinador revelou que nos últimos dias Ney perdeu peso e conseguiu trabalhos mais intensos com o preparador Renato Secco. Ontem, aliás, Secco conversou longamente com o novo titular da posição, durante o treinamento.

“Só quero aproveitar essa oportunidade para mostrar meu potencial”, disse Ney, que em 2007 foi peça-chave na campanha do Vitória (que ascendeu à Série A), mas no ano passado ficou na reserva do clube baiano, muitas vezes sequer relacionado para o banco. “Por isso vim para o Paraná. Preciso jogar”, disse o jogador. Para Ney, essa disputa pela camisa 1 será travada com muito profissionalismo. “Aqui, todos estão se ajudando. O clube conta com quatro bons goleiros e quem estiver melhor vai jogar”, comentou.

Se o rodízio vingar, Ney será titular diante do Cascavel e do Engenheiro Beltrão. Depois, contra Londrina e Iraty, a posição seria de Rodolfo, um dos destaques da equipe de juniores do tricolor.

“Vi o garoto em ação em dois jogos na Copa São Paulo e gostei”, disse Comelli. “Não importa se tem apenas 18 anos, se estiver melhor que os outros, vai jogar”, afirmou o treinador paranista, que não vê problemas diante dessa indefinição momentânea.

“O jogador sempre tem que estar provando, nos treinos e nos jogos. Só que a situação para goleiros é um pouco diferente”, lembrou. “Vamos dar chances iguais para todos e quem for melhor fica no time.” Comelli só não incluiu no rodízio Thiago Rodrigues, pois o prata da casa teve dores lombares e só treinou com bola esta semana.