O Paraná Clube, após um primeiro turno de muito equilíbrio técnico, viveu momentos de oscilação e incerteza. Um quadro que acabou se transformando em oportunidade para atletas que estavam “fora do circuito”, até esquecidos pela mídia. Nas duas últimas partidas, o Tricolor deu sinais de reação, após mudanças significativas processadas pelo técnico Dado Cavalcanti, que foi buscar no elenco um fôlego extra para a reta final da Série B. Restam oito rodadas para o fim da competição. Período de muita tensão e onde a força do conjunto será ingrediente indispensável para a fórmula do acesso.

Além do zagueiro Edimar, do volante Gilson e do meia Paulinho Oliveira, a comissão técnica também decidiu abrir espaço para alguns garotos da base. Casos do ala Rodrigo Mann e do meia-atacante Luisinho. “É muito bom fazer parte deste elenco. É fase de aprendizado e estar num grupo deste nível já é uma conquista”, comemora Rodrigo Mann, que na última terça-feira fez a sua segunda partida como titular nesta Série B, a terceira na temporada. “Acho que fiz bons jogos. Nessa fase de transição entre base e profissional é importante você não decepcionar”, afirmou o jogador.

Volta por cima

Com mais “rodagem” do que Mann, Luisinho busca recuperar o espaço e o tempo perdido. Titular do time no ano passado, o jogador caiu acentuadamente de produção e já no Paranaense, então sob o comando de Toninho Cecílio, deixou de ser escalado. Com a reformulação do elenco para o Brasileiro, viu um número maior de obstáculos pela frente e, somente agora, voltou a ser relacionado com maior frequência. Muito por conta da lesão de Felipe Amorim, que passou por cirurgia no punho e não joga mais nesta temporada. “Sigo fazendo o meu trabalho. Treinando e esperando uma chance. Sei que a concorrência é grande”, admite Luisinho.

Base

Outros garotos da base também estão integrados ao elenco principal e esperando uma oportunidade. São os casos do lateral Neto, do meia Júlio César e do atacante Carlinhos. Todos tiveram bom desempenho na Copa do Brasil sub-20 e agora estão à disposição de Dado Cavalcanti. “Vejo o Paraná muito forte na briga pelo acesso. Estar nesse grupo que pode fazer história é muito importante para nós, que somos formados na base”, lembrou Rodrigo Mann. “O fundamental é estar sempre bem, pois se a oportunidade surgir, temos que fazer com que o time não caia de produção”, arrematou Luisinho.