Tricolor quer ver o Pinheirão lotado.

O Paraná Clube conta com a sua torcida para voltar a vencer no Brasileirão e assegurar a manutenção dos 100% de aproveitamento em jogos realizados no Pinheirão. No sábado, o Tricolor recebe a Ponte Preta, às 17 horas – o horário foi alterado atendendo solicitação do clube. Os ingressos já estão à venda e com preço promocional para a compra antecipada. A redução mais significativa é para o setor de cadeiras.

Para evitar filas e confusões nas bilheterias do Pinheirão, os torcedores podem adquirir seu ingresso nas sedes do clube (Capanema, Kennedy, Tarumã e Boqueirão) e na loja do Paraná (no Big). O ingresso de arquibancada custa R$ 10,00 até sexta-feira, subindo para R$ 15,00 no dia do jogo. Para as cadeiras, a promoção é de R$ 15,00 e no sábado o ingresso passa para R$ 25,00. O objetivo é fazer com que o torcedor crie o hábito de comprar o ingresso antecipadamente.

Há ainda ingressos para mulheres, menores, estudantes e torcedores com a camisa do Paraná a R$ 10,00. O mesmo preço vale para o setor Pai-e-Filho. Sócios também pagam R$ 10,00 e têm acesso às cadeiras. Para essas modalidades de ingressos, o preço é o mesmo antecipadamente ou no dia do jogo. Os postos operam até sexta-feira, às 18 horas, sendo que a loja do Paraná permanece aberta até 21 horas.

Neste campeonato brasileiro, os melhores momentos do Tricolor aconteceram nos jogos onde esteve lado a lado com sua torcida. Foram três jogos no Pinheirão e nove pontos conquistados. Além disso, o time de Cuca balançou as redes nove vezes. Esses números é que garantem a sustentação do time nas primeiras colocações, pois fora de casa o Paraná ainda não venceu (foram dois empates e duas derrotas).

“Um bom resultado fora seria aquele ?empurrãozinho? para termos casa cheia nestes jogos”, comentou o diretor de futebol Paulo Welter. Nos três jogos em casa, o público foi apenas razoável. A melhor arrecadação ocorreu no clássico frente ao Atlético, quando o público registrado foi de 8.905 pagantes. Houve uma queda na partida diante do Goiás – realizada à noite – com 2.912 torcedores e um crescimento contra o Bahia, com público de 4.864 pagantes.

“O mais importante é que o torcedor tem jogado junto com o time. Esse apoio foi decisivo em jogos anteriores e isso vai se repetir no sábado”, acredita o zagueiro Ageu. O capitão tricolor retorna ao time após cumprir suspensão e “sofrer” um bocado no clássico contra o Coritiba, onde foi apenas mais um torcedor.

Cuca começa hoje a montar o time

O “clima” no Paraná aos poucos vai melhorando. A derrota para o Coritiba abateu jogadores e comissão técnica de forma inegável. “É bom que seja assim. Há um sentido de perda, pois tínhamos o jogo em nossas mãos”, comentou o técnico Cuca. Ele revelou que a segunda-feira demorou a passar. “Sou assim mesmo. Mas, já estou absorvendo aquilo que aconteceu e tirando lições deste clássico.”

O técnico assegurou que mais da metade do seu time não rendeu o que podia. “E mesmo assim, criamos chances para definir o placar”, lembrou. Pela sua avaliação, além dos laterais Milton e Fabinho, o meia Goiano e os armadores Caio e Fernandinho estiveram aquém do esperado. “Além disso, levamos dois gols em contragolpes. Isso é inadmissível para um time que está vencendo e fora de casa.”

A equipe para o jogo frente a Ponte Preta só começa a ser montado hoje. Cuca evitou falar sobre possíveis alterações na equipe. É certo que Ageu retorna. Fernando Miguel, recuperado na “pancada” que levou na perna direita já participou dos trabalhos físicos de ontem. Já o meia Marquinhos foi poupado, com dor na região anterior da coxa direita.