Foto: Valquir Aureliano

Time não jogou absolutamente nada e errou demais. Lima, que entrou para não deixar Josiel isolado, até que foi bem no primeiro tempo, mas Pintado resolveu substituí-lo.

Três pontos que vão fazer muita falta. Jogando contra o frágil América de Natal, o Paraná não jogou nada e foi derrotado por 1×0 em plena Vila Capanema. A atuação tricolor foi fraca, com poucas chances de gol e muitos erros. O resultado mantém a equipe no quarto lugar no Campeonato Brasileiro, mas correndo risco de perder várias posições após o complemento da décima rodada.

O Paraná montou uma nova equipe, com a entrada de Renan e Éverton. A intenção do técnico Pintado era reforçar a criatividade do time, ainda mais com a marcação reforçada do América. No ataque, Lima era outro jogador de referência, colocado para diminuir a pressão sobre Josiel.

Os visitantes, como esperado, montavam uma tática defensiva – o centroavante Frontini foi sacado para a entrada do veteraníssimo Paulo Isidoro. Era o cinturão potiguar na Vila.

E que funcionou no primeiro tempo. Tirando duas oportunidades (um lance de Alex em que o lateral deveria ter chutado e não cabeceado, e uma testada de Josiel defendida por Renê), a defesa do América de Natal não teve trabalho. Muito pelo contrário – os visitantes tiveram 45 minutos tranqüilos, inclusive oferecendo relativo perigo a Flávio.

O Paraná tropeçava nos erros de passe, na má atuação de alguns jogadores (como Alex, Márcio Careca e Renan) e no péssimo estado do gramado. Quem precisa jogar, como era o caso tricolor, não consegue fazer isso na Vila Capanema. O terreno é muito irregular, a bola fica quicando e atrapalha quem quer colocar a pelota no chão. Com isso, houve pouca emoção e muita irritação – do técnico e dos torcedores.

No intervalo, Pintado sacou Lima e colocou Vandinho – já que não dava com dois centroavantes, que o Paraná tivesse uma espécie de ponta. Como Éverton já estava aberto pela esquerda, o ?substituto? ia para a direita. ?Temos que abrir o jogo, só assim vai dar certo?, resumiu o treinador.

E não deu. O Paraná seguiu errando, e numa bobeada gigantesca da defesa o América fez o gol da vitória com Arlon, aos 12 minutos – Márcio Careca, Neguete e Luís Henrique falharam.

Aí Pintado resolveu tirar defensores e colocar o Tricolor no ataque. Saíram Alex e Márcio Careca para as entradas de Vinícius Pacheco e Gérson.

As trocas não surtiram efeito. O Paraná continuou preso na marcação, nos erros e no gramado. O América fez o que lhe cabia: retrancou-se, fez cera e abusou das faltas (o Tricolor reclama de um pênalti de Édson Borges não marcado). A partida se arrastou até o final, com vitória potiguar e com muita desconfiança sobre o atual estágio paranista.

Pintado sai vaiado e xingado pela torcida

Carlos Simon

A lua-de-mel de Pintado com a torcida tricolor parece ter acabado. Bastante xingado depois da partida, o técnico mostrou nítida irritação na entrevista coletiva e tentou convencer que o time jogou bem. Apesar da atuação apática e desorganizada, o técnico devolveu com rispidez algumas perguntas sobre o desempenho do time. Retrucou, por exemplo, ao ouvir que o América teve mais chances de gol. ?Quero que me diga quantas defesas fez o Flávio?, respondeu.

A equipe de Natal perdeu pelo menos duas boas oportunidades quando a partida já estava 1 x 0. Para Pintado, o Paraná dominou a partida e perdeu num lance de desatenção. ?Vieram para aproveitar o nosso erro e assim fizeram, na única bola chutada em gol. A atuação não foi ruim. Tivemos a posse de bola e se tivéssemos aproveitado as três chances de gol do começo o resultado seria outro?, falou. O técnico afirmou ainda que as entradas de Vinícius Pacheco e Vandinho estavam programadas pelo desgaste físico. ?Foi uma semana atípica, com jogos no sábado, terça e sexta. Como são jogadores que ajudam na marcação, foram poupados para o segundo tempo, quando já prevíamos que haveria dificuldade?, disse o técnico. Já o atacante Josiel atuou as três partidas porque se movimenta menos, segundo o treinador.

A maioria dos jogadores discordou do comandante e admitiu a fraca atuação. ?Nem todo dia alcançamos o topo. Hoje (ontem) não conseguimos jogar. Precisamos melhorar?, falou o atacante Josiel.

O capitão Beto achou que o América mereceu vencer. ?É difícil explicar. Só com um bom resultado apagamos o que aconteceu nessa rodada?, disse.

Além de Pintado, outros jogadores foram bastante cobrados pela ?turma do amendoim? na saída para os vestiários, como Gerson e Neguete. O meia Gerson, também xingado, chegou a discutir com alguns torcedores.

Prazo limite pra negociar Xaves é até segunda

A diretoria do Paraná estipulou segunda-feira como prazo limite para os interessados decidirem a contratação ou não do volante Xaves. Segundo o vice de futebol, José Domingos, há uma proposta do Atlético-MG e outra de um fundo de investidores que contrataria o jogador e depois o repassaria ao clube mineiro. Para ambos o Paraná apresentou o mesmo valor para venda de metade dos direitos econômicos do volante.

Do valor, 60% ficaria com a LA Sports e 40% com o clube. ?Acharam caro, quiseram levar 100% dos direitos, com o que não concordamos.

Ficaram de entrar em contato quinta-feira à noite, mas até agora não houve evolução?, falou o dirigente, pouco antes da partida contra o América.

A indefinição deixou incomodado o próprio Xaves, afastado da partida contra o América para não cumprir o sétimo jogo e assim perder a chance da transferência. ?Ele lamentou ter perdido espaço quando o técnico começava a utilizá-lo. Até por isso ele não sai depois de segunda-feira?, falou José Domingos.

Sobre o atacante Josiel, o dirigente repetiu que nenhuma proposta sedutora chegou à Vila. Um dos clubes que procuraram o Tricolor foi o Rapid Viena (Áustria), mas nem a diretoria nem o jogador aprovaram os valores oferecidos.

CAMPEONATO BRASILEIRO

Série A – 10ª rodada

PARANÁ CLUBE 0x1 AMÉRICA-RN

Paraná

Flávio; Daniel Marques, Neguete e Luís Henrique; Alex (Gérson, 28 do 2º), Beto, Renan, Éverton e Márcio Careca (Vinícius Pacheco, 14 do 2º); Lima (Vandinho, intervalo) e Josiel.

Técnico: Pintado

América-RN

Renê; Odirlei, Ney Santos e Édson Borges; Eduardo, Marquinhos, Souza, Marcos Alexandre (Márcio Goiano, 40 do 2º) e Marcinho; Paulo Isidoro (Leandro Sena, 24 do 2º) e Arlon (Frontini, 30 do 2º).

Técnico: Marcelo Veiga

Súmula

Local: Durival Britto

Árbitro: Wagner dos Santos Rosa (RJ)

Assistentes: Marcos Tadeu Peniche Nunes (RJ) e Avelino Menezes Pimentel (RJ)

Gol: Arlon 11 do 2º

Cartões amarelos: Alex, Neguete (PR); Arlon, Ney Santos, Marquinhos, Eduardo (AME) Renda: R$ 51.153,00

Público: 3.790 (3.209 pagantes)