Goiano é uma das ?peças? a
ser aproveitada no nacional.

Virada a página do campeonato paranaense, o Paraná Clube inicia hoje a preparação da sua equipe para o Brasileirão. Com apenas duas semanas para realizar uma intertemporada, a ordem é não errar e acelerar o ritmo dos treinamentos. Por isso, a diretoria decidiu levar seus atletas para Itu, no interior paulista. Em um centro de treinamentos moderno, a comissão técnica terá dez dias para armar o novo time, que estréia na competição no próximo dia 21, frente ao Santos, no Pinheirão. Neste período, pelo menos dois amistosos serão realizados, sendo um deles contra o Ituano.

A comissão técnica já está constituída, agora sob o comando de Paulo Campos. Carioca de Niterói, 47 anos, Paulo Campos chega ao Tricolor indicado por Vanderlei Luxemburgo e pelo empresário Sérgio Malucelli, novo parceiro do clube. Desconhecido nos grandes centros, o treinador tem uma extensa folha de trabalho no mundo árabe e no Brasil ele esteve no XV de Piracicaba, no Palmeiras “B” e no Iraty. Paulo Campos garante ser avesso a esquemas extremamente defensivos. “Meu time deve ser ofensivo, mas o esquema depende muito do grupo que estará à nossa disposição”, avisou.

Paulo Campos foi apresentado como novo treinador do Paraná no dia 25 de março. Enquanto o clube seguia na disputa do Torneio da Morte, aproveitou para observar possíveis reforços – como Canindé e Aílton, do Paulista – e adversários da equipe no Nacional. Mostrou força ao convencer a diretoria a processar uma reformulação na comissão técnica. A princípio, Campos traria somente um auxiliar-técnico (Carlos Faria), mas após algumas reuniões foram definidas ainda as vindas de um preparador físico (William Hautmann) e um treinador de goleiros (Jair Leite). A diretoria, agora, terá que definir as situações de Fernando Tonet (preparador físico) e Renato Seco (treinador de goleiros). Este deve retornar à equipe de juniores.

“Não estamos dispensando ninguém, só reorganizando a comissão técnica que terá muito trabalho pela frente”, explicou o vice-presidente de futebol José Domingos.

O Paraná Clube já acertou nove contratações, sendo cinco delas de atletas que trabalharam com Campos no Iraty (Cláudio, Nelinho, Wesley, Adriano e Galvão). Do interior paulista, o Tricolor trouxe Carlinhos e Fernando (União Barbarense) e Axel e Beto (Portuguesa Santista). A tendência, diante desta “matemática”, é que somente dez jogadores do grupo que disputou o paranaense continuem no clube. Seriam eles: Flávio, Darci e Bader (goleiros); Fernando Lombardi e Gelson Baresi (zagueiros); Jadílson (lateral-esquerdo); João Vítor e Goiano (volantes) e William e Jean Carlo (meias).

Virada histórica e Neguinho fecha seu ciclo com 100%

O técnico Édson “Neguinho” dos Santos atingiu o objetivo. Além de “livrar a cara” do Paraná Clube, que se safou do rebaixamento, conseguiu um feito histórico: 100% de aproveitamento no comando do time. Foram cinco jogos e cinco vitórias, sendo a última delas no sábado, sobre o Prudentópolis, no Pinheirão. Um jogo cheio de alternativas e que valeu pelo espírito de luta da equipe tricolor. A vitória por 4×3 foi construída no segundo tempo, após um “puxão de orelhas” do treinador devido à etapa inicial sonolenta, onde o Prude chegou a abrir três gols de vantagem.

Só cumprindo tabela, a única responsabilidade dos jogadores era uma despedida honrosa. O Paraná até começou bem o jogo, pressionando o adversário, mas aos poucos o time foi afrouxando a marcação e o Prudentópolis não vacilou. Em apenas oito minutos o time do interior construiu uma ampla vantagem, com Washington (26 minutos), Maranhão (28) e Torres (33). Os poucos torcedores não economizaram nas vaias e logo aos 35 minutos o Paraná diminuiu, com Fábio Oliveira só completando jogada de Athos.

Para completar, Neguinho foi obrigado, no intervalo, a realizar a última alteração, todas por contusões. Erivélton e Cacau já haviam cedido suas vagas a Alex e Vandinho, respectivamente. No vestiário, Alisson entrou no lugar de Alexandre. Nas mudanças, Goiano acabou deslocado para a lateral-direita e mesmo fora de posição foi o destaque do time, participando diretamente de três gols. Neguinho conseguiu despertar os jogadores e no segundo tempo só deu Paraná. Goiano começou a reação marcando um gol a 25 minutos.

Aos 31, ele fez a jogada pela direita e serviu Vandinho. O centroavante girou para empatar o jogo. No final, aos 41 minutos, Goiano cruzou rasteiro para Fábio Oliveira empurrar para a rede. Foi o oitavo gol de Fábio, artilheiro do Paraná na temporada. Neguinho dedicou a vitória aos atletas, reafirmando que o empenho do grupo é que determinou a volta por cima do Paraná Clube. Sob o seu comando, o time marcou 18 gols em cinco jogos, numa invejável média de 3,6 gol/jogo.