O desfecho do “caso Adriano” no STJD, e o consequente rebaixamento do Paraná Clube para a Segundona do Paranaense, aumentou de forma exponencial a pressão sobre o Tricolor para o jogo desta tarde. O time de Guilherme Macuglia encara o Bragantino, às 17h, na Vila Capanema, sob a ameaça de uma queda para a Série C do Brasileiro.

Com salários atrasados, desfalques e um clima de incerteza quanto ao futuro, o grupo tenta impedir que a temporada se encerre de forma ainda mais trágica. “Jogamos por nós e pelo Paraná. Ninguém quer ter seu nome ligado a um rebaixamento”, disse o atacante Giancarlo, artilheiro da equipe na competição, com 8 gols. Os jogadores tentam dissociar o fracasso no Estadual do atual momento do time. “A maioria dos jogadores nem estava aqui. Mas, é claro, vestimos essa camisa e temos que fazer o máximo para ao menos deixar o clube na Segunda Divisão do Brasileiro”, completou o ala Lisa.

Tanto Giancarlo quanto Lisa, que têm contrato até maio do ano que vem, não sabem que rumos irão tomar em 2012. “É ruim que isso esteja acontecendo. Mas temos que pensar nisso a partir de segunda-feira. Quando entrarmos em campo, o foco deve ser apenas o Bragantino”, ressaltou Lisa.

O Paraná, apesar do clima tenso, depende apenas de suas forças para garantir a permanência na Série B. Um simples empate com o Bragantino assegura um calendário “digno” para sete meses de 2012. “Imaginávamos que nesse momento estaríamos brigando pelo acesso. Mas houve muitos problemas internos que não cabe a gente discutir agora. O que nos resta é jogar bem e vencer esse jogo”, disparou o volante Serginho.

Serginho e Lisa são duas das quatro novidades no time para o jogo desta tarde. O técnico Guilherme Macuglia confirmou ainda as presenças do zagueiro Édson Rocha e do atacante Jefferson Maranhão, suprindo assim as ausências de Marquinho, Flávio, Garroni e Marinho, todos suspensos. “Na prática, estamos priorizando aqueles que apresentam uma melhor condição física e mantendo a mesma estrutura tática dos últimos jogos”, explicou o treinador. “Conversamos muito com o grupo, pois o que nos resta é salvar o clube de um novo descenso”, emendou.