Ciciro Back
Daniel Marques tenta cortar o cruzamento de Ronaldo Angelim. Resultado complica a vida do Paraná.

Não era para perder o jogo. O Paraná Clube fez uma boa partida no Maracanã, mas falhou na marcação e levou o gol que deu ao Flamengo a vitória por 1 a 0, ontem, pelo Grupo 5 da Libertadores.

O resultado é ruim para as pretensões tricolores, ainda que o time siga com grandes chances de classificação. Em contrapartida, o Mengo já se garantiu nas oitavas-de-final da competição.

O lateral-esquerdo Egídio entrava em campo vivendo um tremendo drama pessoal – seu pai falecera – mas mesmo assim ele decidira enfrentar o Flamengo.

O Paraná chegava ao confronto do Maracanã com a formação que melhor rendeu na temporada, mantendo Gérson no meio e contando com a volta de Dinelson ao time. O Rubro-Negro, empolgado, queria garantir antecipadamente a classificação para a próxima fase.

A partida começou com uma característica que interessava ao Tricolor. Na amplitude do Maraca, o Fla começou querendo partir para cima, abrindo espaços para as arrancadas dos homens de frente do Paraná. Dinelson, ainda aparentando falta de ritmo, era marcado por dois jogadores, mas na primeira vez que teve a bola perto do gol driblou os marcadores e obrigou Bruno a fazer boa defesa.

Mas o controle da partida era dos donos da casa. Leonardo Moura e principalmente Juan levavam perigo à marcação. A contrapartida eram os espaços abertos pelas laterais, que permitiam ao Tricolor chegar em algumas oportunidades.

A zaga lenta do Flamengo era explorada pelo trio Dinelson, Henrique e Josiel.

Problemas e fato novo

O Paraná sofria com alguns problemas já conhecidos. Os primeiros estavam no seu time – Gerson continuava apagado e Xaves, mesmo melhor que na semana passada, ainda tinha dificuldades na marcação. Só que havia um ?fato novo?: o árbitro Carlos Eugênio Simon, que em cada lance polêmico dava vantagem aos cariocas.

Ao menos em um lance havia motivo para reclamação, pois Juan, que levara cartão amarelo no início do jogo, terminou o primeiro tempo em campo graças à benevolência de Simon, que não o expulsou quando segurou André Luiz pela camisa. E sem contar que Dinelson foi caçado pelos flamenguistas – ele que trocou cabeçadas com o volante Paulinho.

A segunda etapa começou como a primeira. Logo a dois minutos, Souza deu uma cotovelada em Dinelson e levou só o amarelo. Apesar de melhorar em campo, o Tricolor foi pressionado, e Juan teve duas chances de abrir o placar – numa acertou a trave, na outra Flávio fez milagre. Josiel também teve grande oportunidade, e como o lateral do Mengo, parou no poste.

Eletrizante

A partida ficou eletrizante, com os dois times criando jogadas de perigo. Dinelson acertou a trave numa cobrança de falta, enquanto o Fla chegava com facilidade pelo meio e dificultava a vida de Flávio. Zetti resolveu colocar o Paraná no ataque, colocando Vinícius Pacheco e Lima na partida para aumentar a velocidade nos contra-ataques.

Só que as falhas de marcação foram fatais. Aos 40 minutos, o vaiado Souza subiu mais que os zagueiros e escorou o cruzamento de Leonardo Moura, marcando o gol flamenguista.

O Maracanã tremeu, como só treme em vitórias do Flamengo – ainda mais uma que garante a classificação para as oitavas da Libertadores. Ao Paraná, cabe a recuperação na partida do dia 10 de abril, contra o Real Potosí, na altitude da Bolívia.

COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA
2ª Fase ­ Grupo 5 – 4ª Rodada
SÚMULA
Local: Maracanã (Rio de Janeiro)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (FIFA-RS)
Assistentes: Alessandro Rocha (FIFA-BA) e Altemir Hausmann (FIFA-RS)
Gols: Souza 40 do 2º
Cartões amarelos: Juan, Paulinho, Souza (FLA); André Luiz, Beto, Xaves (PR)
Renda: R$ 480.680,00
Público: 29.212 (25.112 pagantes)

FLAMENGO 1×0 PARANÁ CLUBE

FLAMENGO
Bruno; Leonardo Moura, Irineu, Ronaldo Angelim e Juan; Paulinho, Renato, Juninho Paulista (Jaílton) e Renato Augusto; Roni (Leonardo) e Souza (Léo Medeiros).
Técnico: Ney Franco

PARANÁ
Flávio; André Luiz, Daniel Marques, João Paulo e Egídio; Xaves, Beto, Gérson (Vinícius Pacheco) e Dinelson (Lima); Henrique (Alex) e Josiel. Técnico: Zetti