O Paraná Clube começa o primeiro tempo vacilante, mesmo jogando em casa. Até que aos 7 minutos Douglas Packer balança a rede do ASA e o Tricolor começa a reagir. Após jogada bonita de cobrança de escanteio, com bola recebida de Lúcio Flávio, Packer consegue colocar de lado as dificuldades que o clube tem passado.

 Como resultado o ASA busca maiores ofensivas, mas não consegue chegar até área de Luís Carlos, oferecendo pouco perigo ao elenco da Vila Capanema. Com as brechas deixadas pela zaga arapiraquense, não demora para que o Tricolor invada o “lado inimigo” e faça o segundo gol. Desta vez, foi Luisinho, aos 29 minutos, que recebeu de Wellington Silva e finalizou bonito.

 Apesar do time visitante ter maior domínio da bola, em ambos os tempos, o Tricolor soube finalizar melhor e mostrou serviço para a torcida. Douglas Packer foi o grande destaque na primeira metade do confronto, ajudou a embalar bons lances e colocou o Paraná Clube em um importante arranque.

 Cansaço

 No segundo tempo a equipe de Toninho Cecílio começa sem quaisquer alterações, enquanto o ASA aproveita para se reinventar. Nedo Xavier tira Thallyson e coloca Davi Ceará, dando mais velocidade às jogadas. Com essa ofensiva mais pesada o time da Vila mostra cansaço e declina.

 A grande vantagem do Paraná são as bolas roubadas e as jogadas na proximidade do gol de Gilson, que tenta aparecer no jogo, mas sucumbe à maestria dos mandantes. Já a defesa tricolor tem pouco a fazer contra o ataque do alvinegro, que chega poucas vezes, embora ofereça algum perigo ao adversário em certas bolas rápidas.

 Clima tenso

 Com o resultado definido, dois a zero para o Paraná, Nedo Xavier começa a operar mudanças no ASA, buscando atacar com maior ferocidade. Como resultado a torcida arapiraquense viu seu time receber uma chuva de cartões. Lucas levou a pior e tomou um vermelho, depois de avançar sobre Aymen e, posteriormente, sobre Marquinhos. Thallyson também não soube medir sua força e levou um amarelo para casa. No lado paranista a cena não foi muito diferente. Douglas Packer e Cambará foram os “premiados”.

 Apesar das dificuldades do Paraná, como a crise financeira pela qual o time passa e greve de dois dias, o elenco mostrou profissionalismo e não deixou que isso afetasse o futebol dentro de campo. Vale lembrar que, com a ‘paralisação’, a equipe de Toninho Cecílio não chegou a treinar e fez apenas ajustes táticos para enfrentar o ASA.