O amistoso de amanhã, em Ponta Grossa, colocará à prova o elenco do Paraná Clube. Com uma série de desfalques, o técnico Marcelo Oliveira será obrigado a mexer na estrutura do time, recorrendo a suplentes e até a jogadores recém-chegados ao clube.

Diante do Operário, às 19h30, no Germano Kruger, o zagueiro João Leonardo estreia e o meia William terá a primeira chance como titular. Outras duas mudanças devem ser confirmadas no apronto de hoje à tarde.

A comissão técnica não esperava se deparar com tantos problemas nesta intertemporada. Luís Henrique, com uma lombalgia, foi apenas a primeira baixa. O jogo em Pelotas tirou de combate o também zagueiro Irineu.

Com uma entorse no joelho direito, mas sem o risco de cirurgia, ele fica de duas a três semanas no “estaleiro”. Ontem, foi a vez de Diego Correa ser vetado. O jogador se queixa de dores na panturrilha.

Assim, a saída de Marcelo Oliveira será escalar João Leonardo e Diogo para completar a zaga com Alessandro Lopes. “É o setor no qual estávamos tendo o melhor rendimento. Porém, seria impossível seguir sem mudanças até o fim da temporada e, assim, já damos ritmo aos eventuais substitutos”, comentou Marcelo Oliveira.

Nessa formação, João Leonardo, que foi contratado junto ao Ituano, irá se posicionar na sobra, com Diogo fechando o lado esquerdo. “Mesmo sendo volante de origem, ele tem bom desempenho em todas as funções defensivas”, elogiou o treinador, referindo-se a Diogo

Mesmo antes do último treino, Oliveira antecipou outra modificação, esta de ordem técnica: William ganhou a briga com Wanderson pela camisa 10 e formará com Marcelo Toscano e Leandro Bocão o trio mais avançado do Paraná.

“O William foi muito bem no estadual e por isso pedi sua contratação. Já foi testado em duas oportunidades e merece a chance para começar um jogo”, justificou o comandante paranista.

Mesmo sendo um jogo amistoso o Operário se prepara para a disputa da Série D , Marcelo Oliveira espera uma produção melhor do seu time, em relação àquilo que foi feito em Pelotas.

“Entendo que os jogadores estavam um pouco travados, mas é preciso marcar melhor e produzir no ataque. Não podemos conviver bem com derrotas, mesmo que sejam em jogos-treinos ou amistosos”, sentenciou.