Eliminado da Copa do Brasil, o Paraná Clube volta atenções às duas frentes que lhe restam. No Paranaense, segue “correndo por fora” e dependendo de uma série de combinações para chegar ao título.

Paralelamente, a diretoria tenta a captação de recursos para colocar salários em dia e segue negociando reforços pra Série B. Dentro de 37 dias o clube estreia, em casa, contra o Ipatinga.

Além dos alas Kim – que estreou na última quarta – e Gilson (Cascavel), do volante Ives (Rio Branco), o presidente Aquilino Romani confirmou as contratações do meia Flavinho (Cianorte) e do atacante Leandro Bocão (Toledo).

A busca por peças do futebol paranaense não pára por aí. O dirigente também revelou conversação adiantada com o Corinthians-PR para a transferência do zagueiro Leandro, que atuou pelo Tricolor nas duas últimas edições da Segundona.

“Eles estão, agora, envolvidos com a Copa do Brasil. Temos interesse, mas voltaremos a conversar dentro de algumas semanas”, disse Romani. O contato de ontem com Juarez Malucelli, presidente do Timãozinho, foi apenas no sentido de definir a cessão do Estádio Durival Britto para o jogo das oitavas-de-final da Copa do Brasil entre Corinthians-PR x Vasco. “Trata-se de um  bom zagueiro e temos que buscar reforços deste nível para projetarmos uma boa campanha na Série B”, disse Romani, descartando com todas as letras a volta de Daniel Marques (hoje no Grêmio Prudente) ao clube.

Romani ainda se mostrava frustrado com o fato do Paraná não ter avançado na Copa do Brasil. “Perdemos muito com essa eliminação”, admitiu. A estimativa, entre cota de tevê, um patrocínio “especial” que estava pré-acordado e a renda de um jogo decisivo pelas oitavas, é de que o Paraná deixou de arrecadar cerca de R$ 400 mil, valor que poderia amenizar a crise financeira que a diretoria vem tentando administrar à duras penas neste início de 2010.

O técnico Marcelo Oliveira exorciza um eventual desânimo e aposta no poder se reação do Tricolor. “O trabalho está sendo executado da melhor forma possível, diante das carências. É preciso, agora, que a gente receba um respaldo da diretoria para continuarmos neste mesmo embalo”, disse Marcelo Oliveira, numa referência às eternas pendências salariais e também na busca por duas ou três peças de maior experiência para o atual elenco.