Foto: Valquir Aureliano

Com 81% de chance de ser rebaixado, time de Saulo segue esperançoso e confiante.

O empate entre seus mais diretos rivais deu novo ânimo aos jogadores do Paraná Clube. Ainda é possível acreditar na fuga da degola, por mais que os números não sejam animadores. Entre os clubes ameaçados pelo rebaixamento – à exceção de América-RN, já rebaixado, e Juventude, com só 1% de chance de fuga – o Tricolor se mantém como ?favorito?. Para o matemático Tristão Garcia, o clube paranaense tem 81% de chances de descenso, contra 69% do Goiás, 50% do Corinthians e apenas 1% do Náutico.

?Esses números mudam a cada jogo. Isso não me preocupa. Temos que fazer a nossa parte?, afirmou o técnico Saulo de Freitas. E ?essa parte? é vencer os dois jogos. Mesmo precisando torcer por deslizes de seus rivais, os paranistas têm a convicção que se chegarem aos 47 pontos conseguem se manter na Série A do Campeonato Brasileiro. ?Vamos em busca de um grande resultado contra o Santos e depois a gente vê o que precisa na última rodada?, disse o treinador.

Antes do treinamento, Saulo de Freitas e os demais integrantes da comissão técnica conversaram longamente com o grupo. O técnico deixou claro o seu descontentamento com o comportamento do time na última jornada. Em especial no primeiro tempo. ?Já deixamos escapar a chance de sair da zona do rebaixamento por duas vezes. Pelo que jogamos, poderíamos ter conquistado pelo menos mais três pontos?, avaliou. Saulo fez referências ao empate em Minas Gerais (onde o time perdeu muitos gols) e à forma como o time ?fez o jogo do Botafogo? no último sábado.

?Deixamos eles gostarem da partida, demos espaços e o jogo ficou cadenciado. Era tudo o que não podia acontecer?, reclamou. Saulo espera, agora, reorganizar a equipe para o ?primeiro tempo? dessa decisão. ?Frente ao Santos, temos que retomar a mesma força, a mesma mobilização dos jogos contra Inter e Goiás?, ponderou. Mesmo em casa, sabe que o jogo frente ao Peixe deve ser o mais difícil desta série de decisões que o Tricolor vem enfrentando, desde a sua chegada. ?Eles vêm com tudo para tentar definir a classificação para a Libertadores?, lembrou o treinador paranista.

Números

Na prática, para atingir seu objetivo e escapar do rebaixamento, o Paraná precisa fazer dois pontos a mais que Corinthians e Goiás. Se ambos empatarem seus dois jogos, por exemplo, com uma vitória e um empate, o Tricolor se safa. Porém, uma simples vitória de um deles, nas duas rodadas, já obriga o time de Saulo a obter 100% de aproveitamento nessa reta final. Atingindo essa marca, o Paraná só iria para a Segundona caso um de seus rivais também vença os dois jogos que tem pela frente.

O Náutico até pode ser superado, mas para isso o Tricolor teria que passar por Santos e Vasco e torcer por derrotas dos pernambucanos contra Figueirense e Flamengo. Com um simples ponto, o Timbu não poderia mais ser alcançado, já que num eventual empate por pontos e vitórias, ainda assim o Paraná levaria a pior pelo saldo de gols. ?Essas projeções são naturais. Mas quero o time jogando. E bem. Se vencermos os nossos jogos, vamos sair dessa?, finalizou o Tigre da Vila.