É preciso saber o que está realmente acontecendo. O Paraná Clube foi de novo envolvido por um adversário e de novo perdeu -ontem, para o Brasiliense, por 3×0, em Taguatinga. O resultado tira o Tricolor do G-4 do Campeonato Brasileiro da Série B e cria dúvidas para o torcedor, que não consegue entender como o líder da Segundona até a parada da Copa está há três jogos sem vencer.

Era um confronto delicado, porque o adversário vinha ‘mordido’ por conta da goleada imposta pelo ASA na rodada anterior. Cheio de veteranos, o Brasiliense tinha como intenção partir para cima do Paraná. “Certamente o Marcelo vai montar uma equipe competitiva, marcando forte”, avisou o vice-presidente Aramis Tissot, antes do jogo. O time entrou em campo com a volta do capitão Luís Henrique, a entrada de Flavinho no meio e a chance para Somália começar jogando.

Com a camisa ‘roqueira’, apesar de ontem ter sido o Dia do Amigo (o Dia Mundial do Rock foi na semana passada), o Jacaré começou pressionando e obrigando Juninho a fazer duas defesas em dois minutos. E abriu o placar aos 8, com o zagueiro Santiago mandando uma bomba, sem chances para o goleiro. O Tricolor ficou aparvalhado, perdendo bolas fáceis, quase marcando gol contra e com Juninho praticamente pedindo para Santiago marcar mais um. Foram treze minutos de terror.

Aos poucos, o Paraná saiu da pressão adversária e começou a chegar com mais perigo. Mas faltava, novamente, um jogador que centralizasse as jogadas ofensivas – Flavinho não aproveitava a chance dada pelo treinador. A melhor oportunidade foi com Marcelo Toscano, cobrando falta de longe e acertando a trave. Explorando as falhas da zaga paranista, o Brasiliense ampliou aos 42 minutos com Jean, em arremate que desviou na marcação e enganou Juninho. “Tomamos gols bobos”, resumiu João Leonardo. “Temos que melhorar o passe, e precisamos acertar a marcação. Mas ainda acho que vamos virar”, disse o ainda esperançoso Marcelo Oliveira.

Sem o capitão Luís Henrique, que voltou a sentir dores, o Tricolor voltou com Luiz Camargo no segundo tempo. Vinícius foi a segunda aposta de Marcelo Oliveira, entrando no lugar do apagado Flavinho. Mas o Paraná só chegava quando Gílson, o melhor em campo, partia para cima dos marcadores. E o jogo se decidiu quando William bateu de muito longe e pegou Juninho adiantado, fazendo o terceiro dos donos da casa. Para fechar a noite trágica, Marcelo Toscano perdeu um pênalti. Mais um. O sinal de alerta está ligado na Vila Capanema.